Sunday, May 26, 2024
InícioMeio AmbienteO rio Senegal, um ecossistema em transição

O rio Senegal, um ecossistema em transição

Como se adaptou às mudanças climáticas em uma região onde o acesso à água já representa um grande desafio socioeconômico? Vários elementos da resposta podem ser encontrados em Água dançante, Walangan: o delta do rio Senegal em resistência, livro co-escrito por Yves Barou, fotógrafo e economista francês, e Djibril Majigeen, empresário e advogado franco-senegalês que também é apaixonado por fotografia. Juntos, os autores capturaram esse período de adaptação às novas condições climáticas. Eles coletaram depoimentos de isolados, hidrólogos e geógrafos para embasar suas observações.

otimismo

A cores ou a preto e branco, vistas do céu ou da terra, as paisagens fotografadas ilustram uma seca crescente que afeta as imediações do Senegal, rio que se tornou, apesar de tudo, uma sentinela do aquecimento global. Enquanto muitas fotos de fauna e flora refletem a verdadeira angústia da água, outras evocam a esperança de que a natureza recupera gradualmente seus direitos. O mesmo se passa com as fotografias que mostram a atividade humana, onde a aridez de certeza trabalhou contrasta com o otimismo tranquilizador que se lê nos sorrisos.

salinização do solo

Os comentários citados no livro são igualmente sutis. É o caso da “fragilidade dos solos face à salinização”, aponta Alioune Kane, geógrafo e hidrólogo senegalês. Embora seja um fenômeno natural, a intrusão de água salgada no rio e suas consequências na aridez dos solos ao redor do delta tendem a se agravar devido à precipitação regional cada vez mais incerta. A retenção de precipitação provoca um aumento da presença de sais marinhos nas águas subterrâneas, de onde sobem à superfície por capilaridade ou por irrigação. Após a evaporação, depositam-se no solo, contaminando-o e tornando-o impróprio para cultivos perenes. “Com a subida do nível do mar, teremos de lidar com o sal”, sustenta o especialista.

  © Foto da capa: Uma mulher takhediente coleta sementes de vitória-régia no Parque Diawling (Mauritânia)

© Foto da capa: Uma mulher takhediente coleta sementes de vitória-régia no Parque Diawling (Mauritânia)

Para lidar com este problema, a Organização para o Desenvolvimento do Rio Senegal (OMVS) conseguiu uma barragem anti-sal em Diama em 1985. Seus benefícios não são desprezíveis, pois têm permitir, entre outras coisas, prevenir a salinização das águas do estuário, facilitar a irrigação das culturas e regularizar o rio, melhorar assim o enchimento de várias lagoas (nomeadamente a de Guiers, principal reservatório de água doce do Senegal).

carvão tifásico

No entanto, esta contenção não teve apenas repercussões positivas. De fato, favoreceu a perspectiva de plantas nativas invasoras, como a tifa, que bloqueiam o fluxo e restringem o acesso das pessoas à água. Omar, o filho mais velho do chefe da aldeia de Mayel Aly, testemunha assim as suas dificuldades em chegar à ilha vizinha, onde costuma trazer a nado o seu rebanho de vacas quando os pastos são insuficientes para os arredores da aldeia. O desenvolvimento maciço do tifo tem, para ele, causados ​​consequências económicas: “Em última análise, perdemos 28 vagas por causa de uma debandada à porta da ilha”, diz.

Então tínhamos que encontrar usos de engenhosos para essa planta – como produzir carvão. “O carvão Typha é mais barato [que le charbon de bois] e evita o desmatamento! E aí, ao cortar a tifa estamos prestando um serviço para a aldeia”, resume Mame Fary, empreendedora que deu origem a uma cooperativa que visa colher e depois queimar essa planta para produzir carvão.

Água dançante, Walangan: o delta do rio Senegal em resistência, por Yves Barou e Djibril Majigeen, Edições TohuBohu, 240 páginas, 32 euros.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments