Monday, May 27, 2024
InícioSem categoriaHicham Daoudi: "Há consideração pelos artistas marroquinos"

Hicham Daoudi: “Há consideração pelos artistas marroquinos”

É num imponente edifício art déco situado no moderno bairro de Guéliz, em Marraquexe, que Hicham Daoudi acolhe desde 2016 a vanguarda da arte contemporânea marroquina. Pioneiro da promoção artística em Marrocos, está na origem da primeira bienal de Marraquexe e na iniciativa da revista de arte contemporânea Diptykagora chefiado por Meryem Sebti.

Também à frente da Companhia Marroquina de Obras e Objetos de Arte (CMOOA), uma casa de leilões, o marchand pretende continuar participando do desenvolvimento da cena contemporânea local e sua influência na internacional.

Jeune Afrique: Em 20 anos, que mudanças importantes você viu no desenvolvimento da cena artística contemporânea local?

Hicham Daoudi : Vinte anos atrás, o lugar ocupado pela arte na sociedade e no imaginário coletivo não era claro. Conversamos sobre artistas, obras, destinos trágicos, mas havia uma espécie de distanciamento entre as pessoas e a arte. Desde então, os atores artísticos marroquinos conseguiram despertar interesse, que por vezes se transformaram em entusiasmo, ou mesmo em aquisição. Assistimos ao criados de coleções, sejam elas institucionais ou particulares. A nossa arte entrou nos museus e pudemos ver os nossos artistas integram-se em grandes exposições. É o caso de Farid Belkahia no Centre Pompidou em Paris e no museu Reina Sofia em Madrid. Suas obras também são encontradas nos países do Oriente Médio.

Nesses 20 anos, também tomamos consciência da nossa africanidade. E isso é muito importante sublinhar. Artistas como Mohamed Kacimi tiveram fazer um movimento nessa direção, mas eles não eram audíveis no momento. Hoje, deixamos nossos complexos e temos orgulho de nossos artistas.

O que representa a participação dos artistas marroquinos nos museus?

Quantitativamente, é difícil estimar. Com o Comptoir des Mines, contribuímos para trazer obras para coleções de conhecidos, como as do Guggenheim em Abu Dhabi, o Centre Pompidou em Metz, a Tate Modern em Londres, ou mesmo em fundações privadas bastante grandes. Qualitativamente, participou situar a arte abstrata marroquina pós-independência na grande narrativa da modernidade universal. A consideração pelos artistas marroquinos está aí, eles são exibidos plena e serenamente ao lado de grandes artistas americanos e europeus da mesma época.

E os artistas africanos em geral?

Hoje, ouvimos muito sobre arte africana, mas não a vemos o suficiente. Para um continente com dois bilhões de habitantes, ainda há muito pouca representatividade nas instituições. Eles nos conhecem muito pouco e querem ver de nós apenas o que se espera de nós. As casas de leilões e o mercado de arte ainda não estão mantidos na África, pela falta de transformação social nos territórios, pela emergência de elites que não vão denegrir mas que, pelo contrário, terão confiança nos seus artistas.

precisamos de estruturas e incentivos que comecem a arrecadar, como às vezes fazem os Ministérios da Fazenda ou da Cultura. E crie uma dinâmica local para que nasçam coletores locais. Porque se o mercado de arte ficar apenas nas mãos de europeus e americanos, não ganharemos nada. O que me assusta é que a maioria dos representantes de artistas africanos não são africanos.

É um erro?

Digamos que pode ser chocante ver que artistas africanos precisam de uma galeria em Londres ou Nova York para existir. Temos a sensação de que as galerias estão numa lógica de ratio e valorização de artistas africanos. Deveríamos ter mais galerias muito fortes na Nigéria, Senegal, Etiópia, África do Sul, Costa do Marfim… Deveriam ter uma presença maior em feiras internacionais, por exemplo. Muitas vezes há coletivos de artistas africanos convidados, mas ansiosamente galerias que têm seus estandes e sua programação. É sempre a dificuldade de passar do local ao universal. Como uma galeria pode ser forte em casa enquanto não existe exterior?

Deve ter pelo menos uma centena de grandes galerias instaladas na África hoje. No entanto, existem até hoje apenas cerca de vinte galerias de nível bom, ou próximo do nível muito bom, ou seja, que participe da feira de Basel ou de feiras líderes. A iniciativa pública deve favorecer a emergência nestes territórios, pois a compra pública permite a existência das galerias. Na França, por exemplo, muitas galerias vivem apenas de compras públicas. O continente precisa desse tipo de mecanismo, próximo aos prémios.

Teme-se que essas galerias produzem uma arte uniforme que julgam ser africana

Você acha isso feira 1-54 participa do reconhecimento de galerias e artistas africanos?

Acho que a 1-54 faz muito sucesso em Londres e Nova York, nas capitais do mercado mundial de arte onde essa feira dá muito trabalho para ver. Mas muitas vezes são as mesmas galerias que podem ser vistas em Marrakech que representam os mesmos artistas. A arte africana é visível, mas é de se temer que essas galerias produzem uma arte uniforme que julgam ser africana.

A cena artística marroquina pode se libertar das relações Norte-Sul e se desenvolver no mundo árabe, por exemplo?

A feira 1-54 não me traz nenhum cliente, por exemplo. Claro que a minha clientela tem europeus, mas é essencialmente marroquina e vem principalmente do mundo árabe. Há três anos participamos da feira Art Dubai. Pela primeira vez este ano, estaremos presentes na feira Art Paris. E planejamos ir para outros territórios. Mas a gente aprende e vamos devagar. Porque na África tudo é caro infelizmente, a começar pelo transporte das obras de arte. A flexibilidade da moeda às vezes é complicada. É mais difícil para nós participar de uma feira do que para uma galeria espanhola, americana ou cipriota.

Em 2011, você mesmo lançou uma feira de arte contemporânea, a feira de arte de Marrakech, que não durou. Para quê?

Eu queria que durasse. Mas nesse mesmo ano houve o movimento de 20 de fevereiro no Marrocos, depois as primaveras árabes. Nosso comércio entrou em colapso. Não tínhamos apoio financeiro na época. A casa de leilões que administro perdeu de 70 a 80% de suas vendas. Nos encontramos nus, com muitos investimentos em andamento, como a revista de arte contemporânea Diptyk que desejava ceder ao seu fundador. Também fechei o espaço artístico que tinha em Rabat. E vendeu uma vaga para a Casa. Resumindo, foi um período muito difícil e demorei de cinco a seis anos para me recuperar.

Artistas podem expressar uma forma de ativismo

Le Comptoir des Mines era um projeto que originalmente queria fazer em Casablanca, mas teve a oportunidade de montá-lo em Marrakech, antes do 1-54. Sonhei com um grande espaço para os artistas terem a oportunidade de se expressar e tentar gestos um tanto malucos. Muitas vezes temos projetos enraizados na sociedade. Os artistas podem expressar uma forma de ativismo. Eles estão estáveis ​​com os mais velhos, que desde a década de 1950 reivindicaram um compromisso. Além disso, o nascimento da arte moderna marroquina nasceu na rejeição da figuração e dos artistas orientalistas radicados em Marrocos, e na escolha da abstração para se libertar dela. Essa recusa já é um compromisso.

Apoiamos então a produção das obras, financeiramente mas também tecnicamente, à maneira das grandes galerias internacionais cujo funcionamento estudamos. Somos apenas um pequeno elo na corrente. Minha experiência passada me torna muito humilde hoje. Todos os atores da arte africana conhecem anos de restrição e anos mais solidários. Ninguém realmente fica rico nesta área, ao contrário pára aparências.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments