Monday, May 27, 2024
InícioDesenhos animadosHissène Habré, Daesh… Cinco histórias em quadrinhos para entender o mundo

Hissène Habré, Daesh… Cinco histórias em quadrinhos para entender o mundo

Crescendo soluço Hissène Habré

O que significa crescer sob o sol de Sarh, no Chade, nos anos 1980, quando em N’Djamena reina um personagem conhecido pelo triste apelido de Hache-Hache – iniciais do homem forte da época, Hissène Habre? Com o magistral primeiro volume de Djarabane, intitulado No mercadinho dos amores perdidosAdjim Danngar conta-nos a sua infância, os seus pais, os seus amigos, os seus conhecidos, todas as pessoas dos seus vizinhos num país em guerra – a Líbia reina então sobre a faixa de Aozou, invadida em 1973 e que não será reconquistada pelo Chade apenas em 1987.

“Djarabane, volume 1 – No pequeno mercado dos amores perdidos”, de Adjim Danngar, ed.  Delcourt, 192 páginas, 24 euros.  © Edições Delcourt

“Djarabane, volume 1 – No pequeno mercado dos amores perdidos”, de Adjim Danngar, ed. Delcourt, 192 páginas, 24 euros. © Edições Delcourt

O desenho em preto e branco de Danngar serve ao realismo da história, mas também aos sonhos oníricos do jovem herói, Kandji, e todos aqueles momentos em que a magia se convida à vida cotidiana. Toda a força da história reside tanto nesse domínio da linha quanto no talento de Adjim Danngar para retratar aqueles com quem viveu, em Sarh e depois em N’Djamena: sua mãe, é claro, seu pai, mas também Mango, o intelectual ocioso , Mokassy, ​​o amigo poeta, Absakine, o prefeito de Sarh, que sempre anda com seu macaco enjaulado debaixo do braço, Zarathou, o louco da aldeia, que passa o tempo rabiscando com carvão em pedaços de papel…

E depois há as patrulhas de soldados franceses e aviões de guerra sobrevoando, representando uma ameaça contínua ao país. Atirado pelo destino – uma bala perdida arrebata a vida de seu pai e seus tios imediatamente se apoderam de todos os seus bens – Kandji nunca conseguirá libertar o macaco de Absakine, seu sonho de infância, mas logo conseguirá sair disso graças à sua desenvoltura e, acima de tudo, seu talento para pintar trompe-l’oeil. Fascinado por uma pintura pendurada em sua casa natal, depois por obras semelhantes vistas nas paredes da cidade, Kandji sai em busca de seu autor… Será que ele se tornaria, como supomos, um grande desenhista? Sem dúvida saberemos no volume 2 de Djarabane.

“Djarabane, volume 1 – No pequeno mercado dos amores perdidos”, de Adjim Danngar, ed.  Delcourt, 192 páginas, 24 euros.  © Edições Delcourt

“Djarabane, volume 1 – No pequeno mercado dos amores perdidos”, de Adjim Danngar, ed. Delcourt, 192 páginas, 24 euros. © Edições Delcourt

Djarabane, volume 1 – No pequeno mercado dos amores perdidos, por Adjim Danngar, ed. Delcourt, 192 páginas, 24 euros.

Em combate com os curdos da Síria

Muito se tem falado sobre esses franceses que partiram para lutar nas internas do Daesh. Daqueles que se empenham em lutar contra o obscurantismo assassino da organização terrorista, falar menos. Até Raqqa. Um lutador francês com os curdos contra o Daesh é, como tal, uma banda rara inspirada: relembra o empenho militar do jovem André Hébert ao lado dos soldados das YPG (Unidades de Proteção do Povo, braço armado do Partido da União Democrática Curda na Síria).

“Até Raqqa.  Um lutador francês com os curdos contra o Daesh”, de André Hébert e Nicolas Otero, ed.  Delcourt, 120 páginas, 17,50 euros © Éditions Delcourt.

“Até Raqqa. Um lutador francês com os curdos contra o Daesh”, de André Hébert e Nicolas Otero, ed. Delcourt, 120 páginas, 17,50 euros © Éditions Delcourt.

“Não há outras revoluções tão bem-sucedidas no mundo. Não temos desculpa, devemos ir”, um ativista disse a ele um dia sobre os curdos de Rojava (Curdistão sírio). “Olhando mais de perto para os curdos, percebi que eles não estavam apenas lutando por sua terra ou contra o Daesh”, diz ele. Acima de tudo, eles lutaram em nome de um modelo revolucionário, baseado na democracia direta, no socialismo, no feminismo, no secularismo e na ecologia, todos os princípios que estavam no centro do meu próprio compromisso político. […] No dia seguinte, entrei em contato com o YPG pelo Facebook. Eu estava farto de grandes discursos e vacilações. Em seguida, conversei com um membro do YPG baseado em Sulaimaniya, no Curdistão iraquiano. Com minha passagem de avião reservada, eu só precisava encontrar uma mentira para contar aos que estavam ao meu redor. »

Desenhado por Nicolas Otero – elaborado, misturado de realismo fotográfico e traço claro, cores escuras da guerra – a experiência de André Hébert permite-nos testemunhar de dentro as ações levadas a cabo contra o Daesh, na companhia de combatentes internacionalistas ou soldados do YPG . A morte, o tédio, as dúvidas, os problemas de organização ou hierarquia, “o culto da personalidade em torno de Abdullah Öcalan”, o jogo conturbado dos ocidentais… Hébert conta tudo com simplicidade, incluindo as suas detenções pelos Peshmergas iraquianos ou pelos serviços franceses. E isso, até a libertação de Raqqa, que “marcou o apogeu da luta liderada pelas Forças Democráticas Sírias”.

“Até Raqqa.  Um lutador francês com os curdos contra o Daesh”, de André Hébert e Nicolas Otero, ed.  Delcourt, 120 páginas, 17,50 euros.  © Edições Delcourt.

“Até Raqqa. Um lutador francês com os curdos contra o Daesh”, de André Hébert e Nicolas Otero, ed. Delcourt, 120 páginas, 17,50 euros. © Edições Delcourt.

“Desde então, um tipo diferente de guerra está transitório em Rojava, uma guerra silenciosa que não interessa aos jornalistas. A região, já sufocada por um embargo, está literalmente sedenta e faminta pela Turquia. Destruíram as reservas de água, reduziram o fluxo do Eufrates graças às suas barragens e incendiaram os campos de Rojava, cuja economia é baseada na agricultura. Os agentes turcos e as células clandestinas do Daech multiplicam as ações de sabotagem e tentam semear a discórdia entre as comunidades, escreve o primeiro comprometido, desde que voltou à França e sempre militante.

Até Raqqa. Um lutador francês com os curdos contra o Daesh, por André Hébert e Nicolas Otero, ed. Delcourt, 120 páginas, 17,50 euros.

Rachel Khan apresenta

“Eu sou o dono da minha vida. Sou uma gazela, um leão, o gato branco da Ópera, três alcorões, mil búzios, uma estrela…” Assim termina, ou quase, As coisas grandes e as pequenasadaptação em quadrinhos do romance homônimo de Rachel Khan, com desenho de Aude Massot.

"As Grandes e as Pequenas Coisas", de Rachel Khan e Aude Massot, ed.  Nathan, 168 páginas, 22 euros.  © Edições Nathan BD

“As Grandes e as Pequenas Coisas”, de Rachel Khan e Aude Massot, ed. Nathan, 168 páginas, 22 euros. © Edições Nathan BD

A história é a de Nina, uma mestiça filha de mãe judia de origem polonesa e pai muçulmano da Senegâmbia. É, portanto, mais ou menos a história de Rachel Khan: nascida em 1976 em Tours, filha de pai gambiano e mãe judia francesa Ashkenazi. Contada com muita simplicidade e uma boa dose de humor, essa história adolescente nos ajuda a entender a carreira e as ideias políticas de Rachel Khan.

Dos primeiros confrontos com o racismo à afirmação de suas múltiplas identidades, das dúvidas à capacidade de superação, Nina-Rachel não é uma personagem perfeita. Ela é uma mulher que está em busca de si mesma e que enfrenta a violência social – sendo o racismo apenas uma de suas manifestações. “Sério, eles me deixam bêbada com sua diversidade”, disse ela após uma festa na casa de um filho. Igualdade não é contratar garçons negros e árabes ou realizar fantasias com mulheres negras. Não é chorar enquanto assiste a documentários sobre a África moribunda. Nem cumprimente os lixeiros ou a Lily que chega da Somália. Toda aquela besteira de negros e árabes se integram. Integrar onde? Você acha que estava bem integrado no daron de Pierre-Antoine? Ele, em todo caso, parece bem integrado no Congo, onde saqueia as riquezas. Eu deveria ter entrado em boubou, olha! »

“As Grandes e as Pequenas Coisas”, de Rachel Khan e Aude Massot, ed. Nathan, 168 páginas, 22 euros. © Nathan BD

Como Rachel Khan, Nina encontrará na superação e no atletismo de alto nível uma primeira forma de se afirmar. A história iniciática termina com uma vitória esportiva. Poderia continuar com a surpreendente carreira de Rachel Khan, jurista, assessora cultural no escritório de Jean-Paul Huchon, no Conselho Regional de Ile de France, atriz (Os Monólogos da Vagina, Na Estrada, Geena, Promessa ao Amanhecer…), autor (Racy, preto não é o meu trabalho…), e, recentemente, encomendado por Emmanuel Macron para participar de um grupo de trabalho sobre secularismo, integração e integração.

Coisas Grandes e Pequenas, por Rachel Khan e Aude Massot, ed. Quadrinhos Nathan, 168 páginas, 22 euros.

Ensine a todo custo

“A educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo”: esta frase emprestada de Nelson Mandela é citada duas vezes no novo álbum de Christian Lax, Universidade da Cabra. Aparece, em particular, escrita a giz, em pashtun, num pequeno quadro-negro carregado por Sanjar, um professor itinerante afegão que está determinado a garantir a educação de todos – até mesmo das meninas, inclusive nas aldeias mais remotas – apesar da ameaça mortal que representa sua vida pelo obscurantismo do Talibã.

Autor de história em quadrinhos sobre obras de arte saqueadas na África (uma maternidade vermelha), Christian Lax ousa, com esta nova história, uma história comprometida com a educação, unindo cinco gerações de professores e ignorando fronteiras.

"The University of Goats", de Christian Lax, ed.  Futuropolis, 152 páginas, 23 euros.  © Futuropolis

“The University of Goats”, de Christian Lax, ed. Futuropolis, 152 páginas, 23 euros. © Futuropolis

A história começa exatamente em novembro de 1833, no Col de la Rousse, entre Ubaye e Durance, com o professor itinerante – “escritor mascate” – Fortuné Chabert, que leciona em aldeias de montanha. Nem sempre é bem recebido por lá, seja pelos padres ou pelos camponeses que não veem o interesse – a utilidade – de as crianças aprenderem a ler… principalmente quando são mulheres.

Mas, em breve, o infeliz Fortuné deve desistir de sua profissão, a lei Guizot motivada que ele passa uma patente para poder ensinar. Por um tempo, Chabert tornou-se um “vendedor de livros” e reconhecido igualmente mal recebido por aqueles que desconfiavam da cultura. Infelizmente, ele decide tentar a sorte em outro lugar: desce para Marselha e embarca para a América. A profissão de garimpeiro não acontece, e é dentro da tribo Hopi que ele acaba encontrando seu destino.

"The University of Goats", de Christian Lax, ed.  Futuropolis, 152 páginas, 23 euros.  © Futuropolis.

“The University of Goats”, de Christian Lax, ed. Futuropolis, 152 páginas, 23 euros. © Futuropolis.

Acolhido pelos ameríndios, fundou uma escola, “a universidade das cabras”, baseada em uma educação respeitosa dos valores e tradições hopie, a fim de se opor à erradicação cultural que os colonos estavam implementando. Quando ele morresse, seu filho, depois sua neta, ambos Métis, assumiriam a tocha. Sua neta, jornalista da presidência de Donald Trump e que frequentemente investiga os assassinatos em escolas americanas, partirá para o Afeganistão, onde conhecerá um certo Sanjar, professor itinerante em um país sob o jugo do Talibã – fechando assim o laço. Viagem no tempo, viagem no espaço servida por uma linha fluida e precisa, cores adaptadas a paisagens grandiosas,Universidade da Cabraé um elogio sóbrio ao conhecimento – e uma sentida inequívoca da violência.

universidade de cabra, por Christian Lax, ed. Futuropolis, 152 páginas, 23 euros.

O Destino dos Kolbars

Quem conhece os kolbars, esses homens e mulheres que atravessam o Irã ao Iraque, nas montanhas nevadas, com risco de vida, para transportar mercadorias contrabandeadas: televisores, roupas, ar condicionado fazer, pneus, cigarros? Mesmo que cerca de 40.000 deles sobrevivam por alguns milhões de tomans por mês (185 euros por mês em média), eles nunca chegam às manchetes e muitas vezes morrem em silêncio.

“The Paper Birds”, de Mana Neystani, traduzido do persa por Massoumeh Lahidji, ed.  Aqui e Ali, Edições Arte, 208 páginas, 20 euros.  © Edições Aqui e Ali.

“The Paper Birds”, de Mana Neystani, traduzido do persa por Massoumeh Lahidji, ed. Aqui e Ali, Edições Arte, 208 páginas, 20 euros. © Edições Aqui e Ali.

É a história deles que o cartunista iraniano Mana Neystani, refugiado na França desde 2012, conta em preto e branco, com sua característica linha hachurada, em pássaros de papel, sua nova graphic novel. Então ele nos leva com um grupo de homens para a violência das montanhas, onde a humanidade de todos é posta à prova. Mas, como costuma acontecer em seus livros, Neystani sobretudo desmantela um sistema político-econômico que escraviza os homens (e mais ainda as mulheres), denuncia a opressão, o autoritarismo, o patriarcado, a hipocrisia mortal das elites.

“A maioria das mercadorias que circulam pela fronteira são proibidas e transportadas por contrabandistas ilegais”, escreve o autor em seu posfácio. São eles que ficam presos e muitas vezes são mortos ou feridos. Milhares de kolbars morreram nas fronteiras iranianas. Os guardas de fronteira atiram neles, sem avisar, quando atravessam. O maior número de vítimas é observado entre os habitantes das cidades de Marivan, Sardasht, Ashnavieh, Baneh, Nossoud e Kermanshah. »

“The Paper Birds”, de Mana Neystani, traduzido do persa por Massoumeh Lahidji, ed.  Aqui e Ali, Edições Arte, 208 páginas, 20 euros.  © Edições Aqui e Ali.

“The Paper Birds”, de Mana Neystani, traduzido do persa por Massoumeh Lahidji, ed. Aqui e Ali, Edições Arte, 208 páginas, 20 euros. © Edições Aqui e Ali.

E para continuar: “Segundo dados da organização de direitos humanos Hengaw, em 2019, pelo menos 74 Kolbars curdos foram mortos e 174 feridos. Entre os mortos, 50 foram mortos por serviços de segurança e guardas de fronteira, 23 dormiram em queda, calças de rochas, avalanche ou hipotermia, e um kolbar foi morto pela explosão da mina. Dos 174 feridos, 144 foram feridos pela polícia. »

pássaros de papelé a história de uma expedição que transporta meia dúzia de homens a uma tragédia previsível demais, aliada a uma história de amor igualmente trágica, que ganha o seu sentido quando conhece a situação atual das mulheres no Irã. O patriarcado é infinitamente mais mortal que as avalanches. Muito pesado.

pássaros de papel, por Mana Neystani, traduzido do persa por Massoumeh Lahidji, ed. Aqui e Ali, Edições Arte, 208 páginas, 20 euros.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments