Tuesday, May 28, 2024
InícioMeio AmbienteOne Forest Summit: que lugar para as comunidades indígenas?

One Forest Summit: que lugar para as comunidades indígenas?

Oferecer aos principais países florestais soluções muito concretas que lhes permitiam beneficiar de vantagens económicas enquanto desenvolviam políticas mais protectoras das florestas; fortalecer a cooperação científica entre as três bacias tropicais do mundo; mobilizar meios inovadores ou ousados ​​que devem ser articulados e implementados. Os objetivos de Uma Cimeira da Floresta de Libreville são conhecidos. Atingi-los, no entanto, requer garantir que as comunidades indígenas não sejam mantidas muito longe da mesa de discussão.

Uma floresta é flora, fauna, solo, água, luz e pessoas. Se os cinco primeiros elementos constituem recursos, certamente não é o mesmo para os homens que povoam ou vivem na floresta. Os homens e suas comunidades – os nativos, mas não só – mantinham relações de troca e simbiose com aquelas florestas que os tornam altamente dependentes delas.

bem comum

Os organizadores de Uma Cimeira da Floresta de Libreville proclamam com razão – e deve em agradecer – que “as florestas tropicais prestam um serviço inestimável às locais e à humanidade, fornecendo-lhes muitos recursos, mas também sequestrando carbono e hospedando hotspots de biodiversidade. »

Seria, pois, sensato ter apresentado esta realidade simples: se as florestas se encontram num estado de conservação que hoje permite pensar não na sua restauração, mas sim na sua conservação como bem comum, é precisamente porque os habitantes destas florestas não os deterioraram da mesma forma que as comunidades urbanizadas conseguiram degradar seu meio ambiente. É interessante, do ponto de vista metodológico, observar que os organizadores da cúpula de Libreville distinguem a participação das comunidades indígenas da sociedade civil, indicando que esta não pode decidir pela primeira, que tem interesses próprios que merecem ser levados em consideração.

preservação

Pelo menos duas razões devemos nos encorajar a considerar as comunidades indígenas da floresta como beneficiárias prioritárias da abordagem de preservação. Seu modo de vida, melhor, sua sobrevivência, depende do que for decididamente. Ninguém pensaria em embarcar em um plano para redesenhar a urbanização de uma grande cidade como Libreville, Paris ou Jacarta sem coletar o ponto de vista dos representantes ou municípios dessas cidades, e porque não dos moradores, por meio de consultas diretas.

Da mesma forma, não podemos pensar em prescindir da contribuição das comunidades indígenas para pensamentos e ações. Abstenhamo-nos de mencionar mais uma vez a falta de representatividade dos possíveis representantes dessas comunidades! Esta questão está agora resolvida e estabilizada, pelo menos na lei, com variações bastante interessantes no direito nacional.

Os modos de vida das comunidades indígenas podem inspirar ações e políticas de conservação. Parabéns por constatar que o segundo objetivo desta cimeira é “a consideração das práticas tradicionais que permitem proteger as espécies endémicas”. comunidades tradicionais são contribuintes, isso é certo, mas eles podem ser ainda mais. São destinatários de políticas públicas, científicas e médicas que serão desenvolvidas. É uma singularidade que deve encorajar os stakeholders nesta cimeira a dar-lhes um lugar efetivo à volta da mesa de discussão.

Modelos para aprofundar

O quadro existe e como partes interessadas, em primeiro lugar os Estados, devem ser encorajadas a inspirar-se nele. Algumas iniciativas aparecem como modelos a serem mais exploradores. Este é particularmente o caso do Neutralidade da Degradação do Solo que já evitou a emissão de 12 milhões de toneladas de CO2 e financiou, por exemplo, o programa Komaza no Quênia. Este programa permitiu que pequenos produtores desenvolvessem uma atividade microflorestal sustentável, participando assim da herança da fauna e da flora locais e garantindo uma renda. Nessa perspectiva, seria estendida sua capilaridade às comunidades indígenas.

Em termos concretos, a ambição declarada do Uma Cimeira da Floresta de Libreville é o desenvolvimento de uma plataforma de soluções científicas e econômicas para ajudar a conciliar a proteção das florestas e o desenvolvimento econômico dos “países com grandes florestas”. Este novo nome terá de encontrar um significado que esteja em consonância com a cooperação científica conjuntamente prevista. Os grandes países florestais designam apenas os países florestais do Sul? Os do cinturão equatorial (Bacia do Congo Ogoué, Amazônia e Bacia do Mekong)? Que tal, por exemplo, a floresta costeira continental da Colúmbia Britânica (Canadá) ou a imensa Taiga do Pólo Norte? Determinados espaços ofereceriam “soluções muito concretas” e outros usuários dessas soluções? Queremos acreditar que se trata de colaboração. A emergência climática não justificará a adoção de soluções prontas, mesmo concretas.

Os presságios parecem bons, mas não esquecemos: os Estados têm direitos, a natureza tem direitos, mas as comunidades indígenas também direitos, principalmente no que diz respeito ao seu habitat e ao seu modo de vida; direitos que devem ser preservados em duração…

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments