Monday, May 27, 2024
InícioDesenhos animadosFrança-Argélia: um "eu também não te amo" que também está escrito em...

França-Argélia: um “eu também não te amo” que também está escrito em quadrinhos

Na França, a guerra da Argélia e as difíceis relações entre a França e sua ex-colônia estão, sem dúvida, entre os assuntos históricos mais amplamente tratados na forma de quadrinhos. Não passa um ano sem que um autor e/ou ilustrador se debruce sobre a questão. Os ângulos de ataque são diferentes, assim como os pontos de vista. Podemos como exemplo citar o excelenteAmanhã, amanhã: Nanterre, favela da loucura1962-1966 seguido por Amanhã, amanhã: Gennevilliers, cidade de trânsito, 1973 (de Laurent Maffre e Monique Hervo), que descrevem com precisão o acolhimento reservado aos imigrantes argentinos na região parisiense. Também pensei em Na sombra de Charonne(por Alain e Désirée Frappier) eOutubro Negro (deDidier Daeninckx e Mako) sobre as repressões parisienses das manifestações de 1961 e 1962. Ou para De volta a Saint-Laurent-des-Arabes(Daniel Blancou), tratando das condições de vida dos harkis em acampamentos militar.

“Algiers-Return” de Fred Neidhart

Neste ano de aniversário dos acordos de Évian, acabam de ser publicadas duas novas histórias em quadrinhos que trazem as buscas de memória de jovens franceses interessados ​​nesse passado colonial vivido por seus pais ou avós. Com Argel-Retorno (Marabulles, 114 páginas, 16,90 euros), o autor-ilustrador Fred Neidhart conta – pelo menos é o que supomos – o seu próprio percurso de jovem que ia em busca das memórias do pai pé-negro. Desenho minimalista, olhar cru, explora os seus preconceitos, as suas reações ao contato com a população local, bem como as lacunas da memória coletiva das duas margens do Mediterrâneo.

Sem pena de si mesmo e de seu pai, que jurou nunca mais pisar na Argélia e que lhe diz: “Você vai para um país estrangeiro, cujos funcionários são muito hostis a nós… Você não tem mais motivação, se os caras colocarem a mão na sua coleira, digam para você: “você tem uma história com a Argélia…””

Pratos do álbum “Alger-Retour” de Frédéric Neidhardt.  © Marabulles

Pratos do álbum “Alger-Retour” de Frédéric Neidhardt. © Marabulles

A tensão culmina quando ele se confunde com um jovem argelino. “Mas sério! A França saqueou a Argélia! A verdade, você tem que nos pagar 1000 bilhões de dólares! Mais interesse! E desculpe!”, envia-lhe o jovem apaixonado por videojogos. O que Daniel não pode deixar de responder: “ Ei! Mas você não está cansado de bancar a vítima? A colonização acabou há mais de 50 anos! Eu nem nasci! E assim por diante… E é só isso que faz o valor desta obra: um olhar lúcido e agudo sobre um presente que fica determinado por um passado que insiste dolorosamente.

Pratos do álbum “Alger-Retour” de Frédéric Neidhardt.  © Marabulles

Pratos do álbum “Alger-Retour” de Frédéric Neidhardt. © Marabulles

“Chamado Da Argélia 1954-1962” de Swann Meralli e Deloupy

Este passado indigerível também está no cerne deChamado da Argélia 1954-1962 (Marabulles, 128 páginas, 18 euros), de Swann Meralli (roteiro) e Deloupy (desenho). Um álbum que começa com uma discussão num campo de futebol, onde um jovem de origem argelina veste uma camiseta com as cores do seu país.

“Eu disse que você nem joga pelo seu próprio país!” Você me pegou, certo?!
– Normal, meu país é a Argélia.
– É você tolerante? Você nem gosta do país que te acolheu!
– O que quer dizer com “recolhido”? Porque eu sou menos francesa que você, né?!
– Eu, meu país, eu o amo, só isso! Meus avós eram poloneses e eu não tenho uma camisa da Polônia! »

Esta discussão virulenta conduzirá a uma investigação e a um conhecimento lento do jovem de origem polaca, Jérôme, cujo avô participou na guerra da Argélia.

álbum boards

Placas do álbum “Called from Algeria” de Swann Meralli e Deloupy. © Marabulles

Por que não amar seu país em todo o seu esplendor, sem negar seus horrores?

Didático e equilibrado, o álbumChamado da Argélia entrelaça presente e passado, insiste nos silêncios de quem travou esta guerra suja no terreno. Quanto a Fred Neidhardt, trata-se de uma busca pela verdade – esta verdade que só pode surgir do diálogo, da vontade de compreender e do confronto pacífico dos pontos de vista de cada um.

“Por que não amar o seu país em todo o seu esplendor, sem negar os seus horrores?, pergunta Jérôme. Esperando que a compreensão do nosso passado fragmentado nos ajude a construir uma solidariedade futura! Se um futuro unido ainda parece utópico, estes dois livros já surgiram, à sua maneira, para uma melhor compreensão da história. É um primeiro não.

Pratos do álbum “Called from Algeria” de Swann Meralli e Deloupy.  © Marabulles

Pratos do álbum “Called from Algeria” de Swann Meralli e Deloupy. © Marabulles

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments