Sunday, May 26, 2024
InícioMeio AmbienteCOP27: Yoweri Museveni ataca a "hipocrisia" dos europeus

COP27: Yoweri Museveni ataca a “hipocrisia” dos europeus

O momento não deve nada ao acaso. Num blog post publicado esta quarta-feira, dia 9 de novembro, em plena COP27, o Presidente do Uganda acusou a Europa de “duplos pesos e duas medidas sem vergonha” e “hipocrisia” em relação a África na questão climática e nas políticas energéticas .

“Uma regra para eles, outra para nós”

No poder desde 1986, o chefe de Estado ugandês criticou notavelmente a reabertura das centrais a carvão para fazer face à crise energética provocada pela guerra na Ucrânia, enquanto a Europa pede país africanos a não usarem combustíveis fósseis. “Não aceitamos uma regra para eles e outra para nós”, escreve Yoweri Museveni. “A incapacidade da Europa de cumprir as suas metas climáticas não deve ser um problema da África”, acrescentou, criticando a “hipocrisia” dos europeus.

Essas declarações seguem os alertas feitos pelos líderes africanos durante a COP27 sobre as consequências das mudanças climáticas no continente. Em fevereiro, especialistas climáticos da ONU (IPCC) estimaram que dezenas de milhões de pessoas na África enfrentaram secas, doenças e deslocamento devido ao aquecimento global.

Não permitiremos que o progresso da África seja vítima do fracasso da Europa em cumprir suas próprias metas climáticas

Por sua vez, os países mais ricos não cumpriram suas promessas de doar 100 bilhões de dólares por ano aos países em desenvolvimento a partir de 2020 para ajudá-los a enfrentar as consequências do aquecimento global e tornar suas economias mais verdes, alcançando apenas US$ 83 bilhões, segundo a ONU.

“Falência moral” da Europa

No entanto, a impressão carbono da África é o menor de todos os continentes, representando cerca de 3% das emissões globais de CO2. “Não permitiremos que o progresso da África seja vítima do fracasso da Europa em cumprir suas próprias metas climáticas”, continuou o presidente de Uganda.

Ele também denuncia a “falência moral” da Europa, que “usa os combustíveis fósseis da África para sua própria produção de energia” enquanto recusa “o uso da África desses mesmos combustíveis para sua própria”.

A TotalÉnergies e a empresa chinesa CNOOC anunciaram em fevereiro um acordo de investimento de 10 bilhões de dólares com Uganda e Tanzânia, incluindo a construção de um oleoduto de mais de 1.400 milhas ligando as jazidas do Lago Albert, no oeste de Uganda, na costa da Tanzânia .

O projeto, que inclui a perfuração de poços no maior Parque Nacional de Murchison, em Uganda, provoca forte oposição de ativistas e organizações ambientais, que dizem que ameaça o ecossistema da região e a subsistência de dezenas de milhares. de pessoas.

(Com AFP)

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments