Tuesday, May 28, 2024
InícioNoticiais em destaqueNa Argélia, Mahieddine Tahkout e um ex-deputado envolvido em uma troca duvidosa

Na Argélia, Mahieddine Tahkout e um ex-deputado envolvido em uma troca duvidosa

Quando era deputado, na época da presidência de Bouteflika, Tahar Missoum era conhecido por suas intervenções sensacionais e seus ataques frontais contra membros do governo. Acaba de voltar a ser falado, mas desta vez fora dos muros da Assembleia Nacional Popular (APN). Este 19 de abril, o ex-eleito compareceu perante o Tribunal da Relação de Argel para se explicar sobre o escambo que teve de concluir com o empresário Mahieddine Tahkout, ele próprio condenado a pesadas penas de prisão em vários processos de execução.

Os factos remontam a 2016. O ex-deputado explicou à Ordem dos Advogados que, na altura, Mahieddine Tahkout o tinha contactado através de um jornalista para lhe propor a troca da sua leiteria Ksar el-Boukhari, na localidade de Médéa, e das suas duas estações de serviço (um dos quais foi fechado por falta de aprovação) contra três propriedades localizadas em Nîmes, França. A leiteria em questão já estava fechada há vários meses pelas autoridades, oficialmente por condições insalubres. Mas Missoum – apelidado de “o específico” pelo uso repetitivo que faz desse adjetivo durante seus discursos em plenário – suspeita que o ex-ministro da Justiça, Tayeb Louh, E o da Indústria, Abdeslam Bouchouareb, por trás desta decisão.

“Mandaram-me o fiscal”

Diante desse fechamento imposto, Tahar Missoum fica em um impasse e Tahkout fareja um negócio lucrativo. O texto do acordo firmado entre as duas partes foi encontrado durante buscas ordenadas pela Justiça na sede da empresa de transporte de cargas e passageiros do empresário, em Réghaïa. Mesmo que a estranha troca não tenha sido formalizada por qualquer escritura pública, os magistrados acreditam ter em seu poder provas suficientemente convincentes para acusar o ex-deputado de branqueamento de capitais. Acusação pela qual foi condenado, em primeira instância, a dois anos de prisão sem mandado judicial.

“Fui um dos primeiros, como deputado entre 2012 e 2017, a denunciar a corrupção e confrontar os ministros no Parlamento, declarado o arguido na audiência de 19 de abril, enquanto ajustava regularmente o colarinho da camisa, por baixo do fato cinzento escuro. Eu só vi Tahkout uma vez e fui forçado a fazê-lo porque estava sob uma pressão terrível. Mandaram-me o fiscal que me fiscalizou 380 milhões de dinares e fecharam a minha fábrica que empregava 450 trabalhadores. Ninguém quis resgatá-la por medo de represálias. Eu não consegui nem vender uma vaga. Naquela época, pensei que Tahkout poderia ser a solução porque ele fazia parte da Issaba (a ganga) governante. »

Quanto ao texto do acordo em que assenta a justiça, o arguido nega qualquer legalidade. “Este é um projeto que não tem valor legal. Não houve notário ou testemunhas, o que significa que a transação não foi oficial”, insiste.

Louh, Bouchouareb e os “poderosos”

Em sua defesa, o ex-deputado destaca, assim, a implacabilidade do ex-poder contra ele e seus interesses. Porque ? A causa, assegura-nos, está nos muitos ataques que lançou, no hemiciclo, contra o ministro da Indústria, Abdeslam Bouchouareb, qualificando-o de “traidor” e acusando-o de ter “dupla nacionalidade”, o que teoricamente deveria tê- o tornado inelegível para o cargo de ministro. “Os filhos dos harkis nos governam”, havia assim derrubado Tahar Missoum em plenário, em junho de 2016, antes O O presidente da APN não lhe corta o microfone. Mais tarde, voltou a fazê-lo, desta vez atacando o ex-ministro da Justiça, Tayeb Louh, evocando a aquisição pela sua administração de um lote de pulseiras eletrônicas que haviam revelado defeituosas.

O inquérito judicial sobre o assunto, aberto três anos depois, levou à prisão de Tayeb Louh e do diretor responsável pela modernização do Ministério da Justiça. Mas na época em que o deputado Missoum o atacou, Tayeb Louh era uma figura poderosa, dirigindo o Departamento de Justiça com a mão de ferro e até nutrindo a ambição de um dia suceder o presidente Bouteflika. Quanto ao seu colega Abdeslam Bouchouareb, desde então esteve no centro de cinco julgamentos por corrupção, recebendo uma sentença cumulativa de 100 anos de prisão.

Quando ele deixou o tribunal em 19 de abril, Tahar Missoum disse África jovem que no negócio de permuta pelo qual é entendido, ele finalmente voltou atrás após uma viagem à França durante a qual veio inspecionar os residentes oferecidos e indagar sobre a confiabilidade da transação com Tahkout. “Encontrei blocos administrativos completamente arruinados e empresas endividadas”, diz. Na volta, recuperei as escrituras de propriedade da leiteria e dos dois postos de gasolina do Tahkout’s e nunca mais o vi. Apelei e pretendo recuperar meu laticínio e meus postos de gasolina agora que meus detratores não estão mais no poder. »

Tahkout nega totalmente

Da prisão de Babar em Khenchela, onde cumpre uma pena de 16 anos, Mahieddine Tahkout falou por videoconferência. Ele rejeita em todos os aspectos a versão do ex-parlamentar. Segundo ele, a troca envolveu mais dez apartamentos e uma villa com garagem localizada nas alturas de Argel, em Bouzareah. Ele afirma nunca ter oferecido propriedades localizadas na França.

Questionado pelo magistrado sobre a origem dos fundos que permitiram a aquisição das três empresas que detinha em Nîmes, Tahkout declarou que a legislação autoriza qualquer argelino que se desloque ao estrangeiro a trazer fundos, no limite de 7.500 euros. São estes fundos, diz, que “lhe permitirão criar estas empresas em associação com [ses] irmãos”.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments