Monday, May 27, 2024
InícioNoticiais em destaqueNouhoum Sarr: "Desde a saída da França do Mali, os grupos terroristas...

Nouhoum Sarr: “Desde a saída da França do Mali, os grupos terroristas recuaram”

Pela primeira vez caminhou ao lado de Soumaïla Cissé, quando este lançou um assalto à presidência com o seu partido União para a República e Democracia (URD). Em seguida, encarnou o jovem guarda do movimento de protesto de 5 de junho, o M5-RFP, que precipitou a queda do regime de Ibrahim Boubacar Keïta, em 2020, para finalmente se sentar no Conselho Nacional de Transição (CNT), que atua como um corpo legislativo.

Crítico abertamente do primeiro-ministro Choguel Maïga, com quem conviveu nas veteranas do M5-RFP, Nouhoum Sarr, presidente do partido Frente Africana para o Desenvolvimento (FAD), parece ser um apoiador inabalável da junta governante em Bamako. .

“Desrespeito” aos líderes franceses, “ineficiência” de Barkhane na luta contra o terrorismo, “sanções ilegais e ilegítimas da CEDEAO”… O parlamentar defende todos os impasses iniciados por Assimi Goïta e os coronéis a favor da “soberania encontrada no Mali”.

Jeune Afrique: Criada durante a transição, a CNT atua como uma instituição legislativa. Diante das tantas decisões tomadas por decreto de Assimi Goïta, a CNT realmente tem um papel a cumprir?

Nouhoum Sarr: Obviamente! Eu diria até que a CNT é a espinha dorsal da transição. No sentido de que não se abalou com os acontecimentos de maio de 2021 que encerraram a primeira fase da transição [le « putsch dans le putsch » qui a porté Assimi Goïta au pouvoir le 24 mai 2021].

Por exemplo, a CNT desempenhou plenamente o seu papel ao votar a lei eleitoral, amplamente alterada, ou o Orçamento do Estado.

Em abril de 2022, foi muito crítico com o andamento do Plano de Ação do Governo (PAG), do qual apenas 30% das medidas haviam sido adotadas, segundo você. Onde estamos Pára este dia?

Não temos a taxa de realização. Mas podemos ver algumas mudanças, sobretudo ao nível da segurança onde a satisfação está no encontro. O exército agora conta com mais de 65.000 homens. Este é um desenvolvimento significativo.

Muitos profetizaram o caos após a partida de Barkhane. Pelo contrário, a situação melhorou. Mas ainda há desafios a serem vencidos na agricultura, na eletricidade e até no setor da saúde.

Há um ano você ainda não tem ideia do ritmo de execução do plano de governo?

Na verdade, não sei de uma avaliação transmitida pelo primeiro-ministro desde então. Mas havia perguntas por escrito ao governo e trocas. A CNT exerce seu papel fiscalizador.

Com o adiamento seno morrer do referendo constitucional de março e do atraso no calendário eleitoral, há quem recebe o adiamento das eleições presidenciais de 2024. Partilha desta preocupação?

Gostaria de reafirmar a autoridade das autoridades em realizar a eleição na data prevista. Eu sou da opinião oposta. Acho que não adianto a eleição. Se forem desleixados, inevitavelmente serão desafiados. Recorde-se que as eleições legislativas de 2020 prefiguraram a queda do regime de Ibrahim Boubacar Keïta.

O atraso registrado diz respeito à celebração de menores. O mais importante é a eleição presidencial e nada indica que não tenha promovido na data marcada.

O Mali fez uma grande reviravolta nas suas alianças diplomáticas e militares, marcadas em particular pela ruptura com a França…

Foram as autoridades francesas que, numa bela manhã, decidiram suspender as operações conjuntas com o exército do Mali, para depois partir. Não vamos reescrever a história.

Antes disso, o primeiro-ministro do Mali havia chamado os soldados franceses de “mercenários”. Nesta situação, o exército francês não foi derrotado no início?

Eu não ouvi Choguel Maïga usar este termo. O que é certo é que a ação do exército francês, um exército moderno e com capacidades formidáveis, não permitia conter a expansão de grupos terroristas. Diante disso, o povo maliano tinha o direito de se questionar sobre sua eficácia.

Você suspeita que o exército francês seja cúmplice desses grupos, como argumentou o ministro das Relações Exteriores perante a ONU?

Abdoulaye Diop certamente tem informações que não estão em meu poder. Mas desde a saída da França e a reconfiguração do aparato de segurança do Mali, você notou, como eu, o declínio dos grupos terroristas e a redução dos ataques às bases militares do Mali.

O ministro também pediu ao Conselho de Segurança que convocasse uma sessão para apresentar suas provas. Até o momento, nenhum membro do Conselho o solicitou, nem mesmo na Rússia ou na China. Por que não publicar como prova diretamente?

É opção das autoridades do Mali querer esperar por esta sessão. Também deve ser reconhecido que já foram reconhecidos testes relativos à inspeção do espaço aéreo do Mali pela França. Quando você decide sair de um país, não é normal entrar em seu espaço aéreo sem autorização.

Você afirma que a situação de segurança é melhorou. No entanto, os ataques se aproximaram de Bamako e o avanço do Estado Islâmico do Grande Saara (EIGS) na região de Ménaka é muito preocupante…

Na França, houve o ataque do Bataclan em 2015. Ninguém disse que a situação de segurança na França havia piorado. Você se refere a ações esporádicas no sul do Mali. Ações desesperadas que são um sinal de perda de poder operacional grupos terroristas.

Quanto a Ménaka, o exército está tomando as medidas necessárias para limitar a expansão dos EIGS. Mas ouvimos muitas informações falsas sobre o assunto. Alguns assegurariam que a cidade de Ménaka poderia cair. Jornalistas, mas também um presidente estrangeiro. O que ele sabe? A menos que ele esteja ciente do plano que visa Ménaka, ou participe dele.

A qual presidente você se refere?

Ao Presidente do Níger, Mohamed Bazoum.

Além dos ataques de grupos jihadistas, as influências de abusos contra o exército do Mali e seus auxiliares russos aumentaram acentuadamente…

Até agora, não vi nenhuma evidência concreta sobre essas emoções. Mas as autoridades assumiram suas responsabilidades e abriram o inquérito, cujos resultados foram divulgados.

Não os da investigação ao massacre de Moura, há mais de um ano…

A investigação continua no AMDH [Association malienne des droits humains, qui n’a aucun lien avec le gouvernement] e outras organizações independentes. Sobre o ataque perpetrado pelos franceses em Bounty, houve uma investigação das Nações Unidas, mas a da França ainda está em andamento. O tempo da justiça não é o dos homens.

Por que as autoridades ainda se recusam a nomear Wagner, embora Vladimir Putin tenha admitido a presença de mercenários russos no Mali?

Não ouvi Putin falar sobre Wagner. Talvez não tenhamos a mesma definição da palavra mercenário. Sobre o assunto, não tratamos o Mali como outros países. O exército americano usa a empresa de segurança privada Blackwater. Os franceses no Internacional de Amarante.

O Mali, portanto, não teria nenhum problema em aceitar o uso de uma empresa de segurança privada se este fosse o caso. Neste caso, há instrutores russos no Mali, do exército regular.

Em Bamako, intensificam-se os discursos acústicos a saída do Minusma. você é um favor?

É claro que a presença de Minusma não mudou a situação de segurança. Mas não podemos ignorar suas contribuições no nível social, ou em termos de infraestrutura. Dito isto, as autoridades malianas são autoridades legítimas. E se exigiram a saída dos capacetes azuis, o Minusma terá que cumprir.

Você fala sobre a autorização das autoridades, que chegou ao poder depois de dois golpes…

A permissão não se mede apenas pelo reconhecimento das eleições, mas pela capacidade de governar no interesse do povo. Manifestações em apoio à transição de 14 de janeiro [2022 – ndlr] são prova dessa evacuação. IBK havia sido eleito, mas o protesto popular acabou com sua reclamação.

Oumar Mariko, Ras Bath, Rokia Doumbia são todas personalidades processadas após críticas feitas contra o exército ou a transição. É crime crítico ou regime?

Absolutamente não! As críticas mais duras à transição geralmente vêm da CNT.

No caso de Ras Bath, ele não criticou a transição, mas acusou-a de assassinato. [il a déclaré que les autorités avaient assassiné l’ex-Premier ministre Soumeylou Boubèye Maïga]. Na política, não há lugar para pressões infundadas.

Rokia Doumbia está sendo processado por “incitação à revolta” depois de ter simplesmente denunciado o alto custo de vida e a gestão das autoridades…

Eu não li o arquivo dele. Claro que me afetou, porque tudo que afeta uma mulher me afeta, é uma sensibilidade, uma sensibilidade. Eu rezo para que tudo corra bem Pára Ela.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments