Monday, May 27, 2024
InícioIdeaisEstudantes africanos no estrangeiro: quanto custa o direito de reprovar?

Estudantes africanos no estrangeiro: quanto custa o direito de reprovar?

Um visto sem passaporte apenas para bagagem! No Senegal, 30.500 jovens se aglomeram todos os anos nos experimentados do Campus France para estudar na França. Desse gargalo, apenas 3.800 deles sairão com o visto no bolso. Mas esses detentores do Santo Graal não sabem que um em cada dois estrangeiros não obtém o diploma de bacharel. Estatísticas igualmente implacáveis ​​no Canadá: em 2021, o governo federal rejeitou 72% dos pedidos de países africanos de língua francesa. E, como Paris, Ottawa exige muito dos africanos para admiti-los, muito pouco para seu sucesso. Com a particularidade de ter que pagar até dez vezes mais pelo mesmo direito de reprovar!

grave falta de habilidades interpessoais

Uma verdadeira sorte financeira, os 430.000 estudantes subsaarianos em movimento pelo mundo têm o direito de se perguntar se possuem o passaporte certo para o sucesso acadêmico. E na medida em que o país hospedado não tem obrigação resultado, as famílias das classes médias e altas africanas devem urgentemente passar por uma verdadeira introspecção.

O que há na educação deles que está causando o fracasso internacional de seus filhos? Claramente, as habilidades que permitiram aos próprios pais ter sucesso na vida não foram transmitidas aos filhos antes do grande salto. Falamos aqui de competências como autonomia, motivação, capacidade de navegar num ambiente multicultural, gestão de tempo e dinheiro, sentido de organização e networking, etc.

De regresso ao país sem diploma, este jovem torna-se o símbolo das esperanças frustradas, o cavalo mau em que se apostaram todas as poupanças

Quando o estudante internacional de origem africana falta aos estudos superiores, não é por falta de conhecimento, pois não domina direito, administração de empresas ou engenharia. Falta aos estudos por cruel falta de habilidades interpessoais. Não tem as chaves da profissão de estudante, aguarda os códigos para decifrar o país de acolhimento e, sobretudo, está perdido num labirinto de trâmites administrativos.

enfim, qual é o verdadeiro custo da falha? Há uma especificidade do estudante africano em mobilidade que não deve ser negligenciada sob pena de se perder o problema central: o seu insucesso escolar ameaça as famílias com uma verdadeira deslocação. Para seus pais, ele se torna o símbolo de esperanças frustradas, o cavalo mau no qual todas as economias da família foram apostatadas. Voltar ao país sem diploma é a morte social assegurada para esse jovem que se tornou um zumbi, pois está perdido entre dois mundos. E o peso da vergonha é tanto que, em vez de voltar, muitas vezes prefere cumprir como idosa dos indocumentados. Em suma, destinos despedaçados, famílias arruinadas e crescentes imigrantes ilegais.

A espiral da aceitação

Torna-se, pois, imperativo travar esta espiral infernal de “rejeição”. Em outras palavras, O Os estudantes africanos não devem mais concordar em “ir à venda” ou se vender com desconto por falta de preparação. Para responder a este equívoco do sistema educativo, cabe a África desenvolver as melhores soluções para os seus nacionais. A começar pela democratização do ensino de habilidades interpessoais do ensino medio. Ao promover, por exemplo, nos currículos, uma das competências mais características do continente, nomeadamente a noção de intensidade do curso, essa capacidade de enfrentar e enfrentar situações de grande adversidade.

As instituições de ensino superior privadas africanas mais reconhecidas são responsáveis ​​​​pela criação da primeira propedêutica dedicada às habilidades transversais de preparação para o ensino superior no estrangeiro. Impulsionar a lógica da certificação, em parceria com as principais universidades e as embaixadas dos países de acolhimento, a tornar-se um passo importante, senão as novas câmaras de pré-selecção dos “bons ficheiros e dos melhores perfis”. Além de comer sua parte do bolo, eles podem atuar como uma fatalidade de serviço público. E melhor, assuma uma missão estratégica de garantir às famílias qual, de seu perfil, merece tal investimento.

Nesta aventura longe de casa, também há muitos africanos que brilham academicamente. No entanto, uma estadia no estrangeiro não pode ser reduzida a uma admissão ou a um diploma. Uma estadia no exterior é antes de tudo uma história de experiência, um sentimento profundo. Em um contexto de influência crescente do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (os BRICS), os estudantes internacionais do continente devem ser levados a sério pelos ocidentais. Porque o futuro da relação entre África e países como a França ou o Canadá vai depender do tratamento reservado a estes embaixadores em particular. Se não são eles que validam o diploma, são eles que vão colocar o observação final.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments