Monday, May 27, 2024
InícioIdeaisEm Camarões, discutido após saliência considerado tribalista no canal Vision 4

Em Camarões, discutido após saliência considerado tribalista no canal Vision 4

“As pessoas devem voltar cada uma para suas casas e as decisões republicanas devem ser tomadas nesse sentido. “Pronunciada no domingo, 16 de abril, durante o programa de televisão Club d’élites do canal privado Vision 4, uma frase, mesmo elíptica, poderia sugerir que uma “grande substituição” migratória ocorreria em Camarões.

Claude Abe, professor permanente da Universidade Católica da África Central (UCAC), evocou uma reforma agrária que defende, alguns utilizando, segundo ele, o conceito de república esconder “um projeto para invadir uns aos outros e recolocá-los em sua aldeia”. Politicamente incorreto e amplamente divulgado pelas redes sociais, os comentários divisivos deram origem a dois tipos de reações…

Para alguns, a projeção do professor é claramente “etnicista” ou tribalista. O cineasta Jean-Pierre Bekolo, em um fórum, afirma que “todos os camaronês se sentem em casa em Camarões” e que “se Le Pen é perigoso, o professor Abe é pior”. Argumentando que as palavras deste último não estavam de acordo com o pensamento cristão, foi enviada correspondência ao reitor de Ucac e ao arcebispo de Yaoundé, pedindo a demissão do professor. Uma petição foi até lançada online. O cientista político Manassé Aboya Endong evoca uma “estigmatização étnica” que constitui “um anacronismo intelectual, aliado a uma grave falha acadêmica”.

Queixa de secessionismo

Quanto ao professor Shanda Tonme, ele apreendeu o delegar geral da segurança nacional, em 19 de abril, em Yaoundé. A sua denúncia refere-se a “uma ameaça à segurança de pessoas e bens, um atentado à unidade e à integração nacional, um incitamento à guerra civil, à destruição dos fundamentos do Estado e da República”, bem como um “sectário, discurso fracionista, divisionista, terrorista e secessionista”.

Para outros camaroneses como o economista Dieudonné Essomba, o debate levantado pelo professor Abe é necessário. Em sintonia com um “verdadeiro sentimento de largos segmentos da comunidade nacional”, o docente da Ucac teria apenas desmantelado “uma ficção de unidade nacional no fim da linha”. Já o principal interessado, Claude Abe, se recusou a considerar um mea culpa, considerando que suas falas não faziam alusão a nenhuma etnia ou tribo. E, para enfatizar, reafirmando que as “acusações imaginárias” feitas contra ele expressamente « projetos de hegemonia…

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments