Monday, May 27, 2024
InícioIdeaisGims, Wakanda e a “web Talibã”, de François Soudan

Gims, Wakanda e a “web Talibã”, de François Soudan

“África é Wakanda, droga! Na época do Império Kush, havia eletricidade. As pirâmides que vemos ali: no topo, tem ouro. O ouro é o melhor condutor de eletricidade. Eram malditas antenas, as pessoas tinham eletricidade! E os historiadores sabem disso. O homem que faz essas observações surpreendentes em um canal do YouTube muito assistido pela juventude afropolitana na França (que foi ao ar há um mês, o programa foi assistido por quase 700.000 internautas) não é um obscuro egiptomaníaco seguidor da teoria supremacista da melanina, de acordo com qual a pele escura dos faraós negros da 25ª dinastia deu uma vantagem física, intelectual e espiritual sobre seus inimigos brancos.

buzz science

Gims (ex-Maître Gims), 37, é uma estrela. Nascido em Kinshasa, chegou à França aos 2 anos de idade, passando de ocupações a famílias adotivas na juventude, ele ascendeu, à força de talento e força de vontade, ao topo da cena musical de língua francesa. O filho de Djanana Djuna, ele próprio cantor da orquestra do ícone Papa Wemba antes de conhecer uma vida de imigrantes indocumentados na Europa, drena 14 milhões de inscritos nas redes sociais, lota estádios a cada apresentação, explodiu os índices de audiência das 20 horas de TF1 quando era o convidado, voava de jatinho particular, viajava de Rolls e Ferraris, lançava sua rede de pizzarias halal e fazia propaganda para o Carrefour. Entre Paris e seu riad marrakchi, Gims também coleciona relações de amizade de alto nível: Mohammed VI, que elogia ele nunca para de cantar, Faure Gnassingbé, Félix Tshisekedi, o catariano Tamim e até Nicolas Sarkozy desde seu dueto com Carla Bruni.

Um perfil eclético que esse neomuçulmano passou um tempo com a seita ultrafundamentalista Tabligh antes de sair dela cultiva com tanto cuidado quanto se aprofunda em sua ciência do buzz. Imediatamente disse, imediatamente insultado. As afirmações de Gims sobre as pirâmides e a eletricidade foram dissecadas e despedaçadas por um grupo de egiptólogos, especialistas em conspiração e notícias falsas, historiadores e humoristas, até a escória e, às vezes, até o absurdo. Tanto é assim que o efeito de extensão em torno dessas poucas frases, é verdade completamente ucrônico, obscureceu tudo o que o autor de O Império de Meroé também disse durante sua longa entrevista sobre a espoliação colonial da África – e que está longe de ser uma loucura.

retroprojeção afrocentrista

Esse quadro polêmico foi desejado pelo próprio artista para melhor divulgar seu novo título, Hernán Cortés, cujo visual representa precisamente pirâmides na ponta decks de ouro? É possível. Ao convocar o Afrofuturismo dos estúdios Marvel, é na sequência de uma História Africana revista, fantasiada e remendada, cuja veia comercial foi explorada através do Atlântico por Michael Jackson de Lembre-se do tempo e a Beyoncé de preto é rei? É possível. Indo do hip hop ao rap, depois do rap ao pop urbano, Gims tem talento. Não vendemos mais de oito milhões de discos em dez anos sem sabermos nos reinventar.

Apegar-se à forma do sujeito, por mais cáustica que seja, é uma coisa; o que essa retroprojeção afrocentrista revela sobre um problema fundamental é outro bem diferente. O apagamento da história do continente induzido pela colonização é uma realidade com que se confronta as diásporas africanas da Europa e da América, e se Cheikh Anta Diop – de quem Gims retoma alguns aspectos do ensino – devolveu ao antigo Egito a sua cota da africanidade, simbolizada pelos faraós núbios do reino de Kush, esta africanidade está singularmente ausente dos livros escolares estudados pelos jovens afrodescendentes.

Tendo as redes sociais dado uma segunda vida ao pan-africanismo, os empresários do populismo digital exploram este vazio de memória e esta busca de sentido. A evocação das origens africanas sacralizadas e sua reserva quase inesgotável de símbolos criam um espaço de compensar de um presente amargo, feito de racismo e descrição, que muitas vezes é o destino das “experiências negras” fora da África. Wakanda, os filmes pantera negra E a mulher rei transmitem, como o protocronismo de Gims, o regresso a um autêntico “eu” africano diminuído pela colonização, positivo e gratificante, que contrasta com o sentimento de insignificância quase social que muitos deparam, bem como com os preconceitos do arcaísmo ainda amplamente ligados no Ocidente à África.

Marca do desafio ao “poder pálido”

Diante de uma realidade enganosa, a “negritude” portadora de uma africanidade emblemática e moderna é tanto um refúgio quanto um retorno às fontes, mesmo que pressuponha uma singularidade factícia dos povos negros cuja cor da pele seria o único significativo. Quanto à cultura material do sucesso é exibido ostensivamente, com poses e posturas contundentes, por Gims e seus irmãos, ninguém entre seus fãs, mesmo os mais modestos, pensa em repreendê-los. O sucesso financeiro do astro aparece como marca de desafio contra o “pálido poder” e uma vingança contra um destino designado de subordinação.

Sair da vergonhosa africanidade, e do seu “complexo branco”, aliviando-a sobretudo das injunções estéticas europeias, como as detestáveis ​​​​práticas de clareamento cosmético da pele, e utilizar para isso a tecnologia democratizante das redes sociais é um exercício salutar. Mesmo que isso signifique mitigar o passado, como fazem todos os povos do mundo.

Mas onde o sapato aperta é quando Gims se envolve em uma leitura conspiratória da história em favor de uma historicidade sobressalente, que não se baseia em nenhuma pesquisa ansiosa. Seu “E os historiadores sabem disso! “, bem como seu delírio nas mesas escondidas no fundo dos porões e nas catacumbas do Ocidente representando “renois no modo cavaleiro Sir Lancelot”, refere-se a notícias falsas, pseudo conspirações da mídia e outras conspirações trumpistas das quais aqueles que estão apaixonados por Achille Mbembe chama de “o Talibã da web” com seu ego hipertrofiado, guias autoproclamados para o despertar e a consciência dos africanos. E o solo é fértil. Para todos aqueles para quem a conspiração é uma forma de ler as notícias, a desconfiança em relação ao discurso dominante dos governadores e da mídia “convencional”, seja ela política, científica ou histórica, é uma espécie de reflexo natural.

Visão conspiratória da realidade

Quanto mais alguém é um usuário diário das redes sociais, mais é desvalorizado socialmente por causa de sua raça, sua religião e seu lugar na implacável obediência do sucesso, menos se é educado e mais se acredita em teorias da conspiração. Isso é demonstrado por uma pesquisa Ifop/Flashes muito recente realizada na França e nos Estados Unidos. Neste último país, onde as estatísticas étnicas são autorizadas, 72% dos afro-americanos dizem aderir a uma visão conspiratória da realidade (contra 55% da população como um todo). Na França, 56% dos cidadãos de fé muçulmana se enquadram nessa mesma categoria, ou seja, 20% a mais que a média nacional. Nenhum estudo deste tipo foi ainda realizado na África, mas a julgar pelo conteúdo das redes sociais, pois as teorias da conspiração são cada vez mais prevalentes entre cada vez mais conectadas. De acordo com o último estudo da Kantar/Africascope, 70% dos residentes de Dakar, 57% dos residentes de Bamako, 51% dos residentes de Abidjan, 42% dos residentes de Libreville, 41% dos residentes de Kinshasa, 40% dos residentes de Yaoundean e 31% dos residentes de Brazzaville usam Internet diariamente, com duração variando entre 1h40 e 3h40.*

Números certamente inferiores aos alcançados pela televisão e pelo rádio, dois meios de comunicação menos tolerantes a veiculares notícias falsas, mas em constante crescimento entre os jovens. Lógicas sucessoras da comunicação tradicional onde a oralidade ocupava um lugar importante (com a diferença de que desapareceu por completo o papel de filtro e moderador exercido pelos sábios na difusão da informação), as redes são para os cadetes sociais um valioso meio de se libertarem a tutela infantilizante dos mais velhos. Nesse aspecto, o afrocentrismo ao molho Gims e o neopan-africanismo são tanto uma abertura ao mundo que abole os oceanos na continuidade das sociedades africanas onde quer que estejam quanto uma retração cultural perigosa. Quando a busca pela identidade é bloqueada por cercas mentais e intelectuais, não é apenas um ilusão.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments