Sunday, May 26, 2024
InícioSem categoriaQuem é Haykel Ben Mahfoudh, candidato tunisiano ao Tribunal Penal Internacional?

Quem é Haykel Ben Mahfoudh, candidato tunisiano ao Tribunal Penal Internacional?

“Sou independente de qualquer partido político e de qualquer tendência, seja ela qual for”, insiste desde o início o advogado Haykel Ben Mahfoudh. Aos 49 anos, ele conta pelo menos com o apoio oficial do Estado tunisiano, do qual é o primeiro candidato ao Tribunal Penal Internacional (TPI). A Tunísia só é signatária do Estatuto de Roma, que rege esta instituição, desde a revolução.

Quase dez anos depois, Tunis dá esse novo passo ao tentar entrar nesse Tribunal responsável por julgar os maiores crimes do planeta (crimes de guerra, crimes contra a humanidade, genocídios, etc.). A chegada de 17 a 23 de dezembro durante a Assembléia de seus 123 estados-partes em Nova York.

A série de Haykel Ben Mahfoudh é indiscutível no país. Desde seu doutorado em proteção do meio ambiente no contexto de conflitos armados (2005), sua pesquisa explorou o direito internacional, o direito dos conflitos e o direito humanitário.

Novas tecnologias, ambiente, inteligência artificial… na Faculdade de Ciências Jurídicas, dedica-se a questões de vanguarda

Agrégé em direito público, após uma passagem de quatro anos em Kairouan, foi galgando gradualmente a tão seletiva graduação universitária da capital até obter o título de professor no final de 2013. Novas tecnologias e meio ambiente, inteligência artificial, armas autônomas… em posto na Faculdade de Ciências Jurídicas, Políticas e Sociais de Tunis (Carthage), ele agora se dedica a questões prospectivas.

Multicaps

Os que cruzaram seu caminho geralmente elogiam suas qualidades humanas. “Além de suas habilidades científicas, ele é cordial e educado e conseguiu se manter humilde, o que é importante para essa carga porque você tem que ser capaz de aceitar as ideias de outras pessoas e não fingir detenha a verdade absoluta”, diz seu colega Lotfi Tarchouna, reitor da faculdade de direito e ciência política em Sousse.

Paralelamente a este sacerdócio científico, assumiu em 2000 a gestão da sociedade de advogados de família e tratou do direito penal, mas também e sobretudo do contencioso administrativo. Um legado de seu pai, o ativista político Sfaxien Mohamed Ben Mahfoudh, que constantemente denunciou abusos de poder e defendeu as vítimas do autoritarismo desde a independência. Este último, membro do movimento de esquerda Perspective, terá pago a sua pena com uma pena de prisão de onze anos em 1968, antes de ser perdoado em favor de uma anistia após dois anos.

Uma história estruturante para o jovem Haykel, nascido após sua libertação. “Quando você foi classificado como opositor desse regime, você registrou assim, lembra ele. Fui criado neste ambiente onde a justiça, a verdade, os direitos e as liberdades eram bens preciosos a serem defendidos a todo custo. Herdeiro de valores e de uma cultura aberta aos media internacional, mantém a vontade de “servir uma causa”.

Envolvido na juventude no sindicato Uget, agora refuta qualquer ancoragem “esquerdista”

Envolvido na juventude no sindicato Uget (União Geral dos Estudantes da Tunísia), hoje refuta qualquer raiz “esquerdista” e mais uma vez adverte: “Sempre me comprometi, mas sempre me distanciei da política garantindo minha independência. Uma forma de também se destaca de uma filiação imponente.

Desde 2011, ele se limita a assinar fóruns de mídia para desafiar líderes tunisianos em áreas tão diversas quanto a assuntos religiosos, política doméstica ou o recente gerenciamento da epidemia de Covid-19. Ele também participou de várias missões internacionais de especialistas que o levaram ao Iraque, à Líbia e até ao Iêmen. “Conduzi processos de diálogo e tive a oportunidade de conhecer as especificidades de cada conflito, suas questões institucionais e, por vezes, a interferência de atores regionais. São elementos que devem ser levados em conta em realidades tão complexas quanto aos crimes internacionais”, afirma.

“Vir de um país árabe me ajudou a entender esses diferentes contextos”, diz o homem que se apresenta como candidato na confluência da África, mundo árabe e Mediterrâneo. Um trunfo, ele espera, para entender outros sistemas jurídicos porque “a Tunísia representa um continuum cultural, geográfico e jurídico”. Esta candidatura é um marco para o menor país do Magreb que nunca teve um juiz em nenhuma jurisdição universal de escala, nem mesmo na Corte Internacional de Justiça (CIJ).

concorrentes africanos

Enquanto apenas seis juízes serão renovados na próxima Assembleia, 19 candidatos se declararam para o cargo a serem preenchidos por um período de nove anos. Além das habilidades de cada um e do respeito ao equilíbrio entre mulheres e homens, também será levada em consideração a representação geográfica equitativa para garantir a influência do TPI.

No entanto, se Ben Mahfoudh se conta entre os africanos e pretende “mostrar que uma voz africana pode contribuir para o desenvolvimento do Tribunal”, este trilíngue (francês, árabe, inglês) também pode orgulhar-se de ser o único a encarnar um mundo árabe que nunca foi representado nesta jurisdição. E por um bom motivo: além da Tunísia, apenas Palestina, Jordânia, Djibuti E as Comores são signatárias do Estatuto de Roma. Ele se diz orgulhoso de disputar um país “cujo processo democrático irreversível, apesar de uma triste governança, projetou os tunisianos no mundo”.

Não está excluído que certos estados façam um regateio na distribuição de seus votos

No continente, a competição é mais acirrada. À sua frente estão outros cinco africanos (Nigéria, Burkina Faso, República do Congo, Serra Leoa, Gâmbia). Mas Haykel Ben Mahfoudh é o único, junto com a serra-leonesa Miatta Maria Samba, a ser considerado “altamente qualificado” pela Comissão Consultiva encarregada de examinar esses perfis. O tunisiano teria suas chances?

Tudo vai depender dos negócios nos bastidores. Não se pode descartar que alguns Estados façam regateios na distribuição de seus votos. Até porque outra votação fundamental também está em jogo: a sucessão do procurador de Justiça Fatou Bensouda. Entre os quatro candidatos oficiais, dois também são do continente: o nigeriano Morris Anyah e a ugandense Susan Okalany.

Haykel Ben Mahfoudh quer acreditar nisso e já tem ambições de julgar os casos de um tribunal que é alvo de muitas críticas. Ele forjou uma visão sobre a avaliação dos limites de gravidade dos crimes, o sequenciamento dos processos de justiça de transição e experiência, mas também a consideração das vítimas. “É preciso saber identificar as suas necessidades e expectativas em função do contexto para lhes dar reparações e respostas que não os desesperar do TPI”, afirma.

Ele também aspira contribuir para o desenvolvimento do direito penal internacional e não seria contra uma emenda ao Estatuto de Roma para levar em conta a nova dinâmica do crime e dos conflitos internacionais. E porque não inclui “crimes com sensação particular para certas regiões do continente africano, como o terrorismo, as alterações climáticas ou a exploração de recursos naturais”.

Falta de apoio da Tunísia

Mas, paradoxalmente, além da falta de envolvimento em torno de uma candidatura no continente, é a falta de envolvimento da Tunísia que pode prejudicá-la. Aquele que vem amadurecendo sua candidatura desde abril de 2019 e tem batido em todas as portas de seu país certamente conta com o apoio de personalidades como o ex-ministro das Relações Exteriores Khemaies Jhinaoui (a quem originalmente deveria apresentar sua candidatura antes de deixar o cargo em outubro de 2019), mas isso não é suficiente. “Na época, parecia haver um consenso dentro do ministério e na presidência”, lembra este último, afirmando que o corpo diplomático o apoiou por meio de suas embaixadas.

O candidato, apesar de tudo, vai sozinho

Em licença sabática de um ano, Haykel Ben Mahfoudh tem pouco tempo para se dedicar ao violoncelo e às caminhadas, seus hobbies. Ele iniciou uma campanha real em muitos países porque sua exposição no cenário internacional conta mais do que tudo. As medidas coercitivas aplicadas à crise de Covid não levaram a melhor sobre sua autoridade. A duas semanas da eleição, ele continua multiplicando as entrevistas, pela internet.

Mas o apoio da Tunísia se limita a conexões e o candidato, apesar de tudo, vai sozinho. Para além de um voo para Genebra pago pelo Posto de Turismo, não tendo o Estado tunisino atribuído qualquer orçamento, teve de financiar a maior parte das suas viagens e estadias no estrangeiro nas suas fundos limpar.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments