Monday, May 27, 2024
InícioNoticiais em destaqueNo Sudão, a impossível operação de sedução de Hemetti

No Sudão, a impossível operação de sedução de Hemetti

Mohamed Hamdan Dagalo, vice-presidente sudanês do Conselho Soberano, em Cartum, 2 de março de 2022. © Palácio Presidencial Sudanês/Divulgação/Agência Anadolu via AFP

No início de novembro de 2022, uma pequena equipe de comunicadores e lobistas franceses se reuniu em Dubai. O objetivo é simples: apresentar uma vasta estratégia de comunicação dedicada ao general Mohamed Hamdan Dagalo, conhecido como Hemetti. Durante dois dias encadearam as apresentações numa sala de conferências do hotel Grand Millennium. Uma rolagem “desliza”. Um deles detalha o curso de uma chamada de operação “Esperança para o Sudão”. Campanha mediática, lobby político, influência digital… É analisado um plano de marketing chave-na-mão destinado a restaurar a imagem do chefe das Forças de Apoio Rápido (FSR).

Uma dezena de pessoas escuta atentamente as palavras do manipulador de comunicadores. Entre eles está Algoney Hamdan Dagalo, o irmão mais novo do senhor da guerra sudanês. Baseado em Dubai, ele gerencia a comunicação de Hemetti, assessorado por Youssef Izzat al-Mahri, assessor político, e Idriss Mudalal, responsável pela equipe digital.

Empresas de fachada?

A Algoney também ocupa um lugar de destaque no organograma dos FSRs como responsável pelos procedimentos de compras. Ele também está envolvido em várias holdings familiares – GSK, empresa de tecnologia da informação e segurança com sede no Sudão, e Tradive General Trading LLC, com sede nos Emirados Árabes Unidos. Segundo a Global Witness, essas são “empresas de fachada” que alimentam o vasto complexo paramilitar-industrial controlado por Hemetti.

Em Dubai no final de novembro, Algoney não hesita Pára reagir, em árabe, à apresentação feita pelos comunicadores franceses. “O que você nos diz, nos foi prometido muitas vezes”, disse ele.

Desde a queda de Omar el-Bashir em abril de 2019, o clã Hemetti embarcou de fato em uma vasta ofensiva midiática e diplomática com o objetivo de tornar o soldado um interlocutor credível para a comunidade internacional. Com o desejo declarado de se destacar os crimes cometidos por seus homens em Darfur entre 2003 e 2009, mas também durante a sangrenta repressão realizada contra a oposição em 2019, que deixou mais de uma centena de mortos.

Lobby em Washington

Em maio de 2019, Mohamed Hamdan Dagalo assinou um primeiro contrato de lobby com uma empresa canadense com sede em Washington. O responsável pelo arquivo chama-se Ari Ben-Menashe, é um israelense-canadense que opera no continente há quase vinte e cinco anos.

Por um montante de 6 milhões de dólares, compromete-se a levar a cabo acções nos Estados Unidos para o levantamento das garantias contra o Sudão, mas também na Rússia, onde Ben-Mensashe afirma ter as suas entradas. São anunciadas reuniões com o presidente Donald Trump e o setor privado russo. O contrato também afirma que o lobista “tentará garantir o financiamento do Comando Militar do Leste da Líbia na troca de ajuda militar de Hemetti ao Exército Nacional da Líbia”.

A colaboração entre Ben-Menashe e o senhor da guerra sudanês será rapidamente descarrilada. No final de junho de 2019, a lobista estratégica para Cartum com seu advogado, Andrew Kramer, e dois assistentes. Mohamed Hamdan Dagalo está esperando por eles em seu escritório. Ele está acompanhado do advogado americano Asim Ghafoor, que defendeu notavelmente o saudoso jornalista Jamal Khashoggi, assassinado em 2018. “Asim Ghafoor também estava tentando conseguir um contrato com o Sudão e colocou Hemetti contra nós”, diz um participante da reunião.

O tom aumenta rapidamente. O número dois do regime sudanês perde a paciência. “Devolva meu dinheiro ou te coloco na cadeia”, ele ameaça. Após vários dias de detenção e duas semanas em prisão domiciliar, Ari Ben-Menashe é libertado. Ele afirma que foi outro de seus clientes que o livrou de problemas ao pagar ao Sudão cerca de US$ 1,5 milhão.

Disputa resolvida na cadeia

“Não houve processos. Na melhor das hipóteses, foi uma disputa sobre o contrato. Mas no Sudão, as disputas civis são resolvidas jogando alguém na prisão”, diz Andrew Kramer. Ari Ben-Menashe continuou a trabalhar com Hemetti? Assegurou-lhe que sim, o que várias fontes negam.

Outra empresa americana de lobby, Nelson Mullins Riley & Scarborough, acompanhará brevemente Hemetti. Assinado no início de 2022 por Youcef Ezet al-Mahri, assessor político do líder sudanês exilado no Canadá, o CONTRATO de um montante de 360.000 dólares foi contestado pela empresa depois de dois meses, oficialmente por causa do apoio dado pelo Sudão à ofensiva russa na Ucrânia.

Paralelamente a esse ativismo diplomático, Hemetti tentou, em suas terras, reunir-se ao seu redor. Antes dos Acordos de Juba, assinados em outubro de 2020, ele tentou forjar alianças com os vários grupos armados que operam em Darfur. “Uma estratégia de união da periferia contra o centro que terminará em fracasso parcial”, explica um ator humanitário envolvido nas discussões.

Diplomacia do talão de cheques

Em meados de 2022, e com o recomeço da violência nesta região fronteiriça da República Centro-Africana e do Chade, o ex-senhor da guerra se coloca como mediador. Ele caiu vários meses nesta província ocidental, aparecendo em particular com Hadi Idriss e Taher Hajar, dois ex-líderes rebeldes agora membros do Conselho Soberano de Cartum. A diplomacia do talão de cheques rende frutos desta vez, já que são assinados quatro acordos de reconciliação entre tribos opostas.

“Hemetti tenta desde 2019 se destacar do antigo regime de Omar al-Bashir. É por isso que ele quis apelar aos intermediários franceses para apoiá-lo”, sublinhou um bom conhecedor da estratégia do soldado.

Para encenar essa operação de influência, o clã Hemetti recorreu primeiro aos serviços da comunicadora francesa Anne Testuz. A experiência foi, ao que tudo indica, pouco conclusiva, já que o número dois da potência sudanesa voltou rapidamente em busca da pérola rara. É nesse contexto que uma nova equipe de comunicadores franceses desembarcou em Dubai em novembro de 2022. Segundo nossas informações, pelo menos duas outras estruturas foram abordadas nos últimos seis meses.

Ofensiva no Twitter

Ainda segundo nossas fontes, a Zero Gravity, empresa sediada em Abu Dhabi, também está envolvida na estratégia de comunicação da Hemetti. Estaria ligada a uma operação realizada no Twitter para promover a imagem do FSR a partir do final de 2022, que se intensificou com a eclosão do conflito com Burhane.

Nas primeiras horas dos confrontos, em 15 de abril, uma série de edições foi feita na página de Hemetti na Wikipedia pelo mesmo usuário. Dois dias depois, a foto da ilustração foi alterada. Mohamed Hamdan Dagalo não aparece mais em uniforme militar, mas em um terno azul escuro. “Trabalho profissional”, analisa um assíduo em campanhas de influência na África.

Todos esses esforços de relações públicas serão anulados pelas consequências dramáticas do conflito em curso no Sudão? Em 24 de abril, mais de 400 pessoas perderam a vida. “Ele provavelmente foi muito rápido. Podia ter sido construída ao longo do tempo”, lamenta um dos seus velho comunicadores.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments