Monday, May 27, 2024
InícioSem categoriaNo Mali, foi aberta uma investigação contra três magistrados críticos do governo

No Mali, foi aberta uma investigação contra três magistrados críticos do governo

Uma nova reviravolta no confronto que colocou Mamoudou Kassogué contra os magistrados do Mali, refratários ao regime de transição por semanas. A 20 de abril, o Ministro da Justiça ordenou ao Procurador-Geral do Tribunal de Recurso de Bamako que abrisse uma investigação contra eles por “oposição à autoridade legítima”.

Nomeados no documento, três magistrados são vistos por este procedimento: Cheick Cherif Koné, Dramane Diarra e Mohamed Saïd Sene. Seu ponto comum? Ser membro da Associação de Procuradores e Procuradores do Mali (AMPP) e do Sindicato de Referência dos Magistrados (Refsyma), duas organizações que papel do Apelo de 20 de fevereiro, plataforma de oposição lançada em fevereiro de 2023.

Em nota, o Ministério da Justiça acusa os três de “militarem ativamente no espaço político” por meio da plataforma, o que configuraria “improbidade profissional, disciplinar ou criminal”, denunciando “aparições intempestivas na mídia” que deveriam ser contrárias ao dever do reserva e comentário a que estão vinculados aos magistrados.

Convocação

Um relatório apresentado no dia 12 de abril ao ministro da Justiça pelo Inspetor-Chefe dos Serviços Judiciais relata, ainda de acordo com o comunicado de imprensa, como comunicado contra os magistrados que são “susceptíveis de constituir crime de oposição à autoridade legítima”. Dentre esses fatos, destaca-se a “recusa dos implicados” em responder a intimações enviadas anteriormente.

Três semanas antes, Dramane Diarra, antigo procurador da Comuna IV de Bamako, e Mohamed Saïd Sene, secretário-geral da Refsyma, receberam de facto uma carta da Inspecção dos Serviços Judiciais (ISJ) para serem ouvidos no âmbito de um inquérito administrativo. Apenas Mohamed Saïd Sene respondeu, tendo Diarra considerado a sua convocação “ilegal”.

Cheick Cherif Koné, presidente do AMPP, da Refsyma e coordenador das organizações do Apelo de 20 de Fevereiro, respondeu no mesmo dia, por comunicado enviado Não chefe do ISJ, protestando contra a exploração deste pelo Ministro da Justiça.

“Tratamento discriminatório”

Na sua carta, aquele que foi o primeiro advogado do Supremo Tribunal do Mali denunciou, com grande reforço de argumentos jurídicos e brandindo artigos da Constituição, “tratamento discriminatório e assédio” sofrido pelos membros da sua plataforma. divergências com o poder político sobre as questões da legalidade e da independência do judiciário”.

O Apelo de 20 de Fevereiro, lançado por Issa Kaou N’Djim – antigo defensor fervoroso de Assimi Goïta e agora opositor da junta no poder – apelo à rápida organização de assembleia para o regresso dos civis ao poder e opõe-se ao projecto de Constituição que em breve será submetido a um referendo. Já condenado em 2021 por “danos ao crédito do Estado” e “insultos cometidos nas redes sociais”, Issa Kaou N’Djim tornou-se um dos mais virulentos detratores de Goïta.

Profundamente divididos, os vários atores da justiça maliana continuam a encadear os passes de armas. O exemplo mais recente, o caso do ativista Ras Bath, cujos advogados denunciaram em coletiva de imprensa no dia 16 de abril a instrumentalização da justiça por parte do procurador responsável pelo caso, Idrissa Touré.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments