Monday, May 27, 2024
InícioCinemaKarim Leklou, ator sem fronteiras

Karim Leklou, ator sem fronteiras

Sem tempo de inatividade para Karim Leklou. Por cerca de cinco anos, os diretores o rasgaram. Sob sua aparência de ursinho de pelúcia e por trás de seu sorriso bem-humorado, esconde-se sem dúvida um dos dois bancável fazer momento. “Tenho sorte”, ele relativiza. A chance de ser privilegiado na sociedade francesa e de fazer o que me faz feliz. »

médico legista franco-albanês na série Hipócratessoldado da patrulha Sentinela emuma terceira guerra (Giovanni Aloi), um simpático chefe dos subúrbios parisienses que logo se encarregará de um negócio sem sentido em O mundo é seu (Romain Gavras), policial de Marselha em balsa norte (Cédric Jimenez), o ex-operador de telemarketing sabe jogar de tudo. “Não, não posso interpretar um jovem ou um adolescente”, ele ri.

Isabelle Adjani, Adele Exarchopoulos…

Aos 40 anos, Karim Leklou está no auge da carreira e vive a ascensão de cabeça nos ombros. O homem que começou a fazer Cours Florent à noite em meados dos anos 2000 para “fugir do tédio”, começou sua carreira aparecendo em Um profeta, por Jacques Audiard. Desde então, ele deu o réplica a Isabelle Adjani, a Gilles Lellouche, a Adèle Exarchopoulos ou mesmo a Louise Bourgoin. “Quando observamos as tendências do cinema mundial, sentimos que existe uma diversidade de ideias e uma diversidade simplesmente no cinema francês. São tantos grandes atores que dá para exercer essa profissão com muita humildade”, escorrega esse inveterado cinéfilo, que passou a infância assistindo a filmes de ação americanos.

Filho de mãe francesa e pai argelino, Karim Leklou desafia todas as classificações. Identidade, pertencimento… Perguntas que o ex-miúdo do conjunto habitacional HLM de Saint-Cyr-L’École, um subúrbio de Versalhes, se recusa a fazer a si mesmo. “A origem geográfica não diz nada sobre o ser humano, e isso vale também para os personagens do cinema”, conclui.

O que importa para ele é o cinema. Apenas cinema. É por isso que o ator foge da essencialização dos papéis. “Quando vejo Roschdy Zem e a variedade de cargas que assumem, até o de Presidente da República, fica claro que só a qualidade do trabalho conta. Como ator temos a chance de encarnar e ser, simplesmente ser. Isso é tudo que me importa. O resto é dos políticos, que às vezes exploram nossos papéis”, observa aquele que aprendeu a se libertar de suas certezas, como quando integrou o elenco de Pará a França, por Rachid Hami, ainda em exibição.

Nesta odisséia familiar, ele interpreta o irmão de Aïssa Saïdi, uma brilhante estudante oficial da escola militar francesa de Saint-Cyr que morreu afogada durante uma férias. A história de Jallal Hami, o irmão mais novo do diretor. Rachid e Jallal nasceram na Argélia e ganharam seu país natal com sua mãe na época da guerra de independência para ingressar na França. Para além do drama e do processo judicial, o filme traça o retrato de uma família francesa, longe de qualquer aspecto identitário.

O corpo como ferramenta de trabalho

“É uma visão retrospectiva enviar as pessoas de volta às suas origens”, diz o ator. O que é bonito no filme são todas as nuances que Rachid Hami traz para seus personagens e sua história. “O filme se passa em três continentes. Nos vemos A garoto de subúrbio falando mandarim em Taipei… Há uma forma de modernidade lá que eu gosto, confessa. Não estamos mais no cinema dos anos 80 e 90. Essas questões de identidade não pertencem à nova geração. Como ator, tenho que passar as coisas para os jovens que estão pensando em fazer esse trabalho e dizer a eles que tudo isso não é mais um problema. »

A identidade, para Karim Leklou, começa com o aprendizado físico. Ele fez de seu corpo uma ferramenta de trabalho e conta com ele para dar corpo a seus personagens. “À força de brincar com a vida dos outros, eu me conheço melhor e me aceito um pouco mais”. Aprenda a trabalhar massa se seu personagem para padeiro, “mesmo que seja um minuto na tela”, perca 15 quilos para encarnar o mesmo personagem em épocas diferentes andando de bicicleta ergométrica oito horas por dia em Taipei, enquanto a cidade estava sob cobertura durante filmagens, devido à pandemia de Covid-19… É assim que o ator se vale da interioridade de quem encarna. Karim Leklou nunca está onde você espera. Sua sensibilidade e descrição o levam a territórios inexplorados e cada vez mais ambiciosos.

Menores estrangeiros desacompanhados

Em gota de ouro, um thriller místico urbano de Clément Cogitore, atualmente em exibição, ele interpreta um vidente que fala com os mortos. Ramsès oficia entre Boulevard de la Chapelle e Barbès, vias populares no século XVIIIe distrito de Paris. Ele logo se depara com uma gangue de crianças de Tânger, os chamados “menores estrangeiros desacompanhados”. “O filme mostra como herdamos um termo que tende a criminalizar essas crianças. No entanto, estas são crianças em perigo acima de tudo. Muitos deles são muito jovens e vivem em extrema precariedade. Podem ser violentos, porque chegam a uma cidade agressiva”, sublinhou.

gota de ouro diz muitas coisas. É uma questão de herança, de dádiva, de transmissão, de crença”, resume quem admira o cineasta francês por sua capacidade de não vazar nas instalações. “Eu gosto de talentos estranhos”, diz ele. Com certeza, Karim Leklou faz parte de aqueles.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments