Monday, May 27, 2024
InícioEsportePor que a próxima partida dos Leopardos na RDC se transforma em...

Por que a próxima partida dos Leopardos na RDC se transforma em um quebra-cabeça político

Já ausente da última final da Copa Africana de Nações (CAN) nos Camarões em 2022, a RDC pode perder a marcação para a Costa do Marfim, de 13 de janeiro a 11 de fevereiro de 2024, se negociar mal as duas partidas contra a Mauritânia em março.

Já derrotada pelo Gabão em Kinshasa (0-1) e Sudão (1-2) em junho passado, a seleção congolesa já não tem propriamente o direito de errar. Mas este duplo confronto com o líder do Grupo I é precedido de um imbróglio que os protagonistas deste simples encontro esportivo tiveram feito bem.

A proposta de Moisés Katumbi

Há algumas semanas, a Confederação Africana de Futebol (CAF), liderada por Patrice Motsepé, informou a Federação Congolesa de Futebol (Fecofa) que o estádio dos Mártires em Kinshasa não foi mais aprovado e, portanto, não poderia receber partidas internacionais.

Esta decisão obrigou três dos quatro clubes congoleses ainda envolvidos nas Copas Africanas (Liga dos Campeões e Copa CAF) a jogar em casa em campo neutro. Assim, o AS Vita Club Kinshasa (Liga dos Campeões) recebe em Brazzaville, o DC Motema Pembe, em Luanda, enquanto o Saint-Elopi Lupopo, baseado em Lubumbashi, exilou-se em Ndola, na Zâmbia.

Moisés Katumbi, o presidente do TP Mazembe, que disputa a Copa CAF, havia proposto a esses três clubes que viriam jogar no estádio Kamalondo (18.500 lugares), o único do país com padrão Fifa e CAF. Mas o empresário, candidato às próximas eleições presidenciais, já sofrera três polidas recusas dos seus homólogos, todos reputados aliados de Felix Tshisekedi, o atual chefe de estado.

A opção Lubumbashi

Desde então, a federação busca um gramado para receber a Mauritânia. Falava-se do estádio Japoma em Douala e a autoridade de bom grado deixou a opinião pública acreditar que Sébastien Desabre, o técnico francês dos Leopardos nomeado em agosto passado, esteve na origem deste pedido. Mas o técnico teve a transmissão de enviar um e-mail à Fecofa especificando que a sua escolha número um era mesmo Lubumbashi, seguida de uma segunda opção no exterior, moderna e equipada com um relvado natural como o de Duala. .

Constrangido com o desenvolvimento do Desabre, a Fecofa planeja agora sanção Sitatala belga, seu secretário-geral, que poderia atuar como estopim neste caso. “As pessoas entenderam que Desabre não tem nada a ver com isso e que tudo é uma história política. A Fecofa quer se livrar desse arquivo pesado e pediu ao Ministério do Esporte que decidiu onde a RDC receberia a Mauritânia. Mas será disputado em lugares altos, portanto na presidência. A CAF deu à Fecofa até 22 de fevereiro para comunicar a sua escolha”, explica uma fonte que deu entrada na federação.

O ministro diante de um dilema

Só que, do lado do palácio e do Ministério do Esporte, a ideia de jogar esta partida no reduto de Moïse Katumbi não é muito atraente… “Eles sabem muito bem que slogans hostis ao presidente podem ser ouvidos, como durante uma visita de papai Francisco em Kinshasa, dia 2 de fevereiro, no estádio dos Mártires”, intervém, com alguma ironia, um dirigente de um clube congolês.

Hoje, o poder tem duas opções: decidir que a partida entre RDC e Mauritânia será em Lubumbashi, ou optar pelo estádio Alphonse Massemba-Débat, em Brazzaville, na outra margem do rio. Uma perspectiva que não embala Desabre e seus jogadores, que querem absolutamente evoluir diante de seus torcedores.

Alguns deles estão até começando a dar a entender que se recusariam a entrar na seleção se ela fosse para o exílio. Tudo o que a RDC tem de torcedores de futebol agora está suspenso após o anúncio do Ministro da esportes, Serge Nkonde

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments