Sunday, May 26, 2024
InícioSem categoriaEntre sucessos e escândalos, Tenor, o rapper camaronês que se tornou presença

Entre sucessos e escândalos, Tenor, o rapper camaronês que se tornou presença

neste arquivo

Barthelemy Toguo, artista camaronês contemporâneo.  © Mário FOURMY/SIPA.

Veja todo o resumo

camarões na espera

  • Em Camarões, Martinez Zogo, demais para Paul Biya
  • Camarões à sombra de Paul Biya

Seu local de residência, ele escolheu a sua opção. Mas quando ele nos recebe em seu opulento apartamento nos subúrbios a leste de Yaoundé, o Tenor concorda em se abrir sem filtro. Com gíria “kamer” nos lábios, o músico relembra sua jovem carreira, seus sucessos que, em poucos anos, o apoiaram ao topo do ranking dos “artistas que caminham”; ele fala sobre esse estilo único, que se tornou sua marca registrada, e até mesmo sobre os inevitáveis ​​contratempos que acompanham a glória.

De estúdios improvisados ​​​​ao sucesso

Aos 24 anos, o Tenor consolidou-se como a maior figura da música urbana camaronesa, da qual se tornou um dos mais expressivos embaixadores. Cantor e compositor, o artista se destaca pela versatilidade, transitando do rap aos ritmos tradicionais com desconcertante facilidade. “Eu nunca quis ser definido musicalmente”, explica ele. É verdade, minha base é o rap, mas prefiro ser pau para toda obra. A sua discografia está aí para o ilustrar: uma longa lista de títulos, incluindo muitos sucessos, com sonoridades muito celebradas.

Porém, garantiu o Tenor, em nenhum momento imaginou fazer tanto sucesso, quando ainda praticava nos ateliês improvisados ​​de Edéa, cidade do Litoral onde passou parte da infância. Malabarismo entre horas cursos e praias de lazer, ele só esperava fervorosamente “o reconhecimento [son] talento”. Nesta altura da sua vida, a música foi sobretudo a válvula de escape que lhe permitiu esquecer as vicissitudes de um quotidiano muitas vezes difíceis.

“Faça o dab”… com Chantal Biya

Sua carreira musical tomou forma rapidamente. Megoumou Thierry, conhecido como Tenor, tinha 18 anos quando seu título “Do le dab” se tornou um sucesso em Camarões. Essa música é impulsionada para a frente do palco. O sucesso viralizou no ano seguinte, graças à atuação que deu durante a cerimônia do Canal 2’Or 2017 em Yaoundé, durante a qual a primeira-dama, Chantal Biya, jogou o jogo e deu um dab, gesto popularizado pelo jogador de futebol Paul Pogba.

Os títulos seguintes tiveram uma recepção igualmente entusiástica do público. “Kaba Ngondo”, “Bad Things” ou mesmo “Déranger” – em colaboração com a cantora Bikutsi Mani Bella – impulsionam-no ainda mais para o centro das atenções. A energia que ele exala em suas apresentações atrai gravadoras, que correm para contratá-lo. Foi a Universal Music Africa, então em pleno crescimento no continente, que venceu a aposta em novembro de 2017, organizando uma cerimónia para anunciar o feliz evento.

O herdeiro de DJ Arafat

Com esta gravadora, o Tenor entra nas grandes ligas. As portas do mercado da África Ocidental e as colaborações com artistas de renome abriram-se então para ele. Entre eles, o DJ marfinense Arafat, então no topo de seu jogo. dela apresentando com Tenor, “Chicoter les tímpanos” é a ilustração mais perfeita disso: mais de 1 milhão de visualizações nas plataformas de download em poucos dias. É o começo de uma dupla chocante, mas não vai durar muito.

Quando Arafat morreu em um acidente de moto em agosto de 2019, o público do astro do coupé-décalé nomeou Tenor como seu herdeiro. O rapper camaronês então se estabeleceu no trono da música urbana na África francófona. “Não tenho palavras para descrever o que DJ Arafat trouxe para a minha carreira e para a minha vida”, confiança, lutando para conter a emoção ao evocar aquele a quem chamou de “pai”. Mas recusa ser visto como um clone da lenda marfinense: “Sou e continuo a ser o Tenor do mundo inteiro. E isso não me impede de sempre homenagear Arafat. »

trágico acidente

Tenor segue uma carreira monótona. Em 2020, fundou sua própria gravadora (Ebanflang En Pire) e ingressou na jovem house de produzido pela Def Jam África. No ano seguinte, lançou um novo EP, Mãe Terra.

Os prêmios e shows se sucedem… Até aquela fatídica quinta-feira, 15 de julho de 2021. Na madrugada, ao sair de uma boate em Douala, o artista perde o controle do carro e bate violentamente em um canteiro central. Ele sai inconsciente, com o antebraço fraturado. O destino dos dois passageiros do veículo é mais trágico: um – o condutor do Mercedes alugado – está internado nos cuidados intensivos em estado crítico; o outro, um estudante de 19 anos, morreu instantaneamente.

Acusado de homicídio culposo, Tenor ficará detido por quase dois meses. Ele divide sua cela com Ondoa Nkou, ex-vice-diretor geral do Banco Internacional dos Camarões para Poupança e Crédito (Bicec), preso por peculato. Durante várias semanas, o artista foi alvo de um intenso linchamento nas redes sociais camaronesas. No tribunal, ele se declara culpado. Mas a família da vítima não foi testemunha da audiência durante a qual ele fez essa declaração. Ela então suspeita do conluio do juiz e decide desafiá-lo. Depois de dois anos, o caso nunca mais foi arrolado.

Este drama o marcou profundamente. “É difícil falar deste caso porque, diga o que disser, seja qual for a dor que possa sentir, alguns nem se vão dar ao trabalho de me ouvir e vão pensar-se a fazer julgamentos”, reconhece Tenor que evoca um episódio “que continua a apavorá-lo”. A justiça foi influenciada como alegam os familiares do aluno? A proximidade com a família do diretor do gabinete civil, Oswald Baboke, alimenta todas as fantasias.

Showman exuberante, jovem discreto

O fato é que depois de ter beneficiado de um lançamento provisório em setembro de 2021, o artista compromete-se a relançar a máquina de sucessos e espetáculos. Desde então, já percorriu cerca de cinquenta cenas pelo planeta. Um olho sempre fixou em seu sonho: o de se apresentar no palco do Bercy, em Paris.

Showman exuberante no palco, jovem discreto e discreto na cidade – onde aproveita “momentos de qualidade” com a filha: são as duas facetas que o Tenor exibe hoje. Que termina com uma lição que diz ter aprendido com a sua última relação amorosa (com a actriz marfinense Eunice Zunon), “a vida é bela, há que aproveitá-la”… Para lucrar com é aliás o seu último título, lançado em 2022. Assim fala o Tenor, o tom tônico E forte.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments