Monday, May 27, 2024
InícioSociedadeEm La Marsa, a lenta decadência do Palácio Ahmed Bey

Em La Marsa, a lenta decadência do Palácio Ahmed Bey

Tornada na moda pelos beis, que fez dela o local preferido antes de tudo para suas férias, depois para sua residência, La Marsa viu a corte, os notáveis ​​e o corpo diplomático se instalarem em seu rastro. A cidade litorânea, cujo nome significa “porto”, mas que vivia principalmente da horticultura comercial, transformou-se assim em uma charmosa estância balnear. Todos os beis tinham ali os seus palácios, e muitos dos seus filhos viviam em villas que pareciam ter inventado um novo estilo, tanto italiano como mourisco.

Estas residências encantadoras pouco restam, mas o pouco que ainda se pode ver, aqui e ali, por detrás de uma abundância de buganvílias e jasmins, suscitam uma espécie de pesar por não ter conseguido proteger isto é que a urbanização moderna destruiu. . Este é particularmente o caso do Palácio Ahmed Bey II (1862-1942), um edifício com vista para a Place du Saf-Saf, o epicentro histórico da cidade, e que por muitos anos viveu em lenta agonia. A ponto de se tornar uma impureza no coração desta bela paisagem, toda azul e branca, de La Marsa, que os moradores chamam de “o principado”.

O prédio foi invadido por posseiros, saqueado por traficantes em louças ou elementos arquitetônicos (roubados E revendido para dar prestígio a novas residências opulentas). Nada foi poupado no Palais Ahmed Bey, ou quase: depois de uma primeira venda, escapou à destruição certa, com o novo proprietário a fazer planos para o transformar num centro comercial. A ideia não dá certo e o palácio continua a se deteriorar.

Para piorar, o local padece de um estatuto jurídico complexo: trata-se mesmo de propriedade privada da família beílica – e não da coroa –, embora classificado como monumento histórico. Mas, pelo seu carácter privado, o Estado não pode intervir por financiamento directo, estando legalmente autorizado apenas a prestar o apoio de peritos patrimoniais no âmbito de um eventual restauro do mesmo.

Muitos edifícios na Tunísia estão sujeitos ao mesmo regime, e a opinião pública, constatando a sua degradação, não compreende que o Estado não possa substituir os proprietários nas operações de salvamento, que aliás nem sempre são solicitados. “Existem desavenças entre herdeiros, muitas vezes numerosas, e isso impediu que existisse uma curadoria dos prédios, que poderia ter salvado prédios hoje desaparecidos. A isto acresce que aguardam são respeitadas as especificações de restauro nas medinas ou similares”, comenta um arquitecto da Associação para a Salvaguarda da Medina de Túnis.

Um grande projeto de restauração

Durante muito tempo, um homem presenciou com tristeza a decadência deste palácio onde viveu, filho, depois dos pais, vindo do Sul em busca de melhores condições de vida, instalou-se, durante a guerra, num dos anexos do palácio localizado na orla do enorme pomar onde hoje se encontram as sedes de muitos serviços administrativos. O jovem Mahmoud lembra-se de ter brincado neste labirinto de corredores, escadas, pátios, quartos, aposentos que ficaram vivos em sua memória. Ele nunca teria pensado em emocionar os satisfeitos do palácio novamente, muito menos contribuir para sua restauração.

Décadas depois, porém, nos anos 2000, enquanto Mahmoud Redissi completava uma carreira no setor imobiliário, ele decidiu embarcar em uma empreitada maluca: restaurar o palácio à sua antiga glória, restaurar esta joia arquitetônica em La Marsa, parte de seu patrimônio e sua história . Se ainda falta fazer tudo, inclusive no nível administrativo, o projeto projetado está bem claro em sua mente. Trata-se de restaurar o Dar Ahmed Bey e os seus 2.500 m² de edifícios de acordo com os padrões, a fim de tornar o palácio um hotel de charme. Neste distrito onde a marca arquitetônica de Ahmed Bey leste forte, especialmente com a vizinha mesquita El-Ahmadi, também planeja criar um jardim público e uma rua de pedestres, o que aumentará a marca deste bey construtor. Um projeto global, incluindo uma parceria público-privada, uma vez que o terreno que contém a horta é propriedade da autarquia.

A aventura em que Mahmoud Redissi está embarcando é emocionante, mas repleta de inúmeras armadilhas. Sem beneficiário de qualquer benefício, conta apenas com a sua experiência de liderança de empreendimentos imobiliários para concretizar o seu sonho de criança. É, pois, com experiência que atravessa o labirinto dos trâmites administrativos, extrai autorizações uma a uma, a mais preciosa das quais é a do Instituto do Património Nacional (INP), que lhe permite intervir no edifício. Ele cria uma empresa que se torna proprietária das instalações, o que possibilita o afastamento dos posseiros que ocupam o palácio.

Os ocupantes ilegais abandonaram a casa, com exceção de uma família que continua a ocupar parte da caverna do edifício, depois, graças ao relaxamento da vigilância após a revolução de 2011, criaram uma moradia nas dependências, depois mais dois alojamentos. Com ameaças, os ocupantes negam o acesso de qualquer pessoa ao local, inclusive da polícia. Para o empresário, o projeto vira um pesadelo. Impossível cumprir os prazos se não puder acessar parte do imóvel.

Hope Kamel Fekih

Mahmoud multiplica os recursos legais, consegue três ordens para demolir os prédios construídos sem autorização nem título de propriedade. Apesar dessas decisões judiciais, apesar também dos alertas emitidos pelo INP ao governador de Tunis e ao prefeito de La Marsa, nada mudou. O palácio está classificado como monumento histórico desde 2016 e a escritura da empresa de Mahmoud Redissi está devidamente registada, mas os invasores não querem saber de nada. “Eles monopolizam a propriedade alheia e abusam dela, é uma questão criminosa, mas podem estar esperando um título de propriedade forçando a mão ou infringindo a lei”, supõe o promotor.

A cada pedido de demolição de edifícios ilegais, o município dá o seu acordo. Mas os representantes da ordem – a polícia municipal em particular, que apesar do nome dependem do Ministério do Interior e nem sempre obedecem às ordens do município – recusam-se a fazer cumprir as decisões judiciais. O promotor, no entanto, se recusa a desistir. Sua esperança: que o governador de Túnis, Kamel Fekih, que conheceu em outubro de 2022 e quem expôs longamente o caso, se lembre de seu caso… de Interior.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments