Sunday, May 26, 2024
InícioDireitos HumanosUcrânia: “Outra guerra, outra coisa antiquada de homem! »

Ucrânia: “Outra guerra, outra coisa antiquada de homem! »

Que posição as mulheres devem adotar diante da guerra na Ucrânia? Nós nos perguntamos no Parlamento dos escritores francófonos. Apresento-vos algumas das reacções recolhidas.

Suzanne Dracius (Martinique): Sempre podemos parafrasear Aristófanes tocando ruidosamente: “Quando a guerra é assunto das mulheres, ela será chamada de paz. Então você tem que jogar o Lysistrata – em grego, Lisistrado significa “aquela que desamarra o exército” – e desamarra nossas línguas ao escrever um texto a favor da paz.

Uma criança gritando não é ucraniana, iemenita ou russa, é uma criança gritando

Michele Rakotoson (Madagascar): Tinha Iêmen, mas também Mali, Burkina Faso… Em casa, há uma “guerra” em baixo magnitude. Há homens, mulheres, crianças que morrem em condições horríveis. Há emergências, e isso não é político. Uma criança que grita não é ucraniana, iemenita ou russa, é uma criança que grita, e eu sou mãe e avó antes de ser escritora.

Tanella Boni (Costa do Marfim): Aqui e ali, em toda parte, há outros conflitos, outros massacres. Não podemos separar as mortes, a violência, os massacres, ou todos esses horrores que aniquilam a vida humana em todo o mundo…

Annie Richard (França): Estamos chegando a uma consciência que deve levar em conta todo o sofrimento sem a priori a nacionalidade. A Ucrânia traz a terrível questão da violência global à nossa porta.

Sophie Bessis (Tunísia): Se eu acho que hoje é preciso se posicionar sobre a Ucrânia, é porque a capacidade russa de incomodar já se manifestou em muitas outras regiões do mundo, a começar pelo mundo árabe e pela África. Não se trata, portanto, de qualquer postura midiática do Panurge.

Gael Octávia (Martinica): Estou pensando no livro de Svetlana Alexievitch, A guerra não tem rosto de mulher. Minha reação a este enésimo conflito armado: outra guerra, outra coisa brega e viril! Obviamente, isso não quer dizer que as mulheres são anjos. É no entanto tentador reconhecer na guerra esta famosa suscetibilidade masculina e esta triste tríade virilidade-fragilidade masculina-violência. com com o qual tantas mulheres têm de lidar diariamente.

Nassira Belloula (Argélia): Guerra, somos contra; mas por que não resistiu a qualquer outro conflito armado, como no Iêmen, que uma coalizão de países invadiu e bombardeou?

Assassinatos irracionais inocentes com armas carregadas com munição de absurdo

Rose-Marie Taupin-Pelican (Martinica): Um amigo do Panamá me disse que em 20 de dezembro de 1989, o exército dos Estados Unidos invadiu seu país sem o menor protesto. Muitas crianças, mulheres e homens morreram, mas não foram às portas da Europa.

Fatoumata Ki-Zerbo (Burkina Faso): Unreason está pronto para massacrar pelo orgulho de amigos que se tornaram inimigos. Ela mata inocentes sob o desconforto tenaz de certezas errôneas, com armas carregadas de munições de disparos. Sem empatia, sem simpatia pela guerra. Pobres tomados como reféns!

Mariem Garali (Tunísia): Esta é uma questão política importante e, provavelmente, não quero me envolver. Recuso qualquer guerra, qualquer ódio e qualquer massacre contra a humanidade ou a natureza.

Anissa Bellefqih (Marrocos): Sou da opinião que, como escritores do mundo, dificilmente podemos nos concentrar em certos conflitos e esquecer outros. A guerra, seja onde for, deve ser estigmatizada, independentemente da população que é sua vítima. Uma guerra esquecida é uma injustiça.

Lise Gauvin (Quebec): Então parece que nunca vamos acabar. Uma sugestão para o título: De guerra cansado

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments