Monday, May 27, 2024
InícioDireitos HumanosSenegal: Macky Sall entrou no memorial de Gorée?

Senegal: Macky Sall entrou no memorial de Gorée?

É uma serpente marinha que reapareceu em intervalos regulares por quase quarenta anos. E o poeta Amadou Lamine Sall, secretário-geral da Fundação Gorée, comoveu-se com isso nos últimos dias em uma carta aberta ao presidente senegalês Macky Sall que circulou amplamente em sites e redes sociais senegaleses.

“Fiz da paciência e do auto-sacrifício meus companheiros de missão. Grandes projetos como o do memorial de Gorée não podem ser concretizados sem o consentimento do príncipe. Perdemos esse tipo de validação do poder político por quase doze longos e ansiosos anos”, escreve ele.

negócios pessoais

O projeto é antigo. E Amadou Lamine Sall tornou isso um assunto pessoal. Desde a década de 1980, a ideia de construir em Dakar, na borda oeste da península de Cap-Vert, um memorial dedicado a Gorée foi gradualmente se consolidando. Enclave memorial da ilha, ao mesmo tempo vitrine do Senegal, localizada a 3 km da costa de Dakar, a ilha de Gorée – classificada pela UNESCO como Patrimônio Mundial desde 1978 – tornou-se de fato um santuário dedicado à memória do escravo troca.

Mas hoje em Paris, onde se recupera, Amadou Lamine Sall está amargurado. E fez questão de o dar a conhecer ao escrever uma coluna em que critica as autoridades senegalesas, culpadas, a seu ver, de terem deixado este nobre projeto adormecido.

Se continuar agora a Macky Sall, que chegou ao poder em março de 2012, é apenas o último dos presidentes senegaleses que terá estado associado à gestação interminável deste monumento. Foi, aliás, sob o comando de Léopold Sédar Senghor, em 1975, que germinou o embrião do projeto, que deveria responder a um desejo expresso em todo o mundo por artistas e intelectuais. derivado continente e a diáspora, de que a linguista senegalesa e historiadora das civilizações Pathé Diagne era então porta-voz. O presidente-poeta então aproveite essa ideia e jogue as primícias. O objetivo será “construir um monumento em homenagem a África”.

triângulo escravo

Abdou Diouf, que sucedeu em 1981 como chefe de Estado, assumiu a responsabilidade. Em 1986, ele decidiu concretizar a ambição inicial, dando-lhe mais alcance. O edifício deveria, portanto, incluir um complexo cultural dedicado aos direitos humanos e ao diálogo entre os povos.

“Durante a década de 1980, impôs-se a ideia de simbolizar o triângulo do comércio de escravos entre África, Estados Unidos e Índias Ocidentais”, recorda Amadou Lamine Sall ao JA. Enquanto Abdou Diouf está no poder, nasce um projeto arquitetônico cosmopolita entre Nova York, Guadalupe e Senegal.

A partir de 1989, a comunidade internacional entrou na dança. Por sua vez, a Conferência Geral da Unesco, a primeira Conferência Islâmica de Ministros da Cultura e depois a Conferência de Ministros da Cultura da Francofonia expressaram seu entusiasmo e apoio ao projeto memorial.

No entanto, só em 1997 é que foi nomeado o projectista escolhido para a sua construção, na sequência de um concurso internacional de arquitectura. Escolhido por unanimidade pelo júri, o italiano Ottavio Di Blasi é o responsável por dar substância a este complexo sobre o qual as ambições não param de crescer. A partir de agora, o “Centro Internacional das Memórias do Mundo” deve estender-se por um vasto perímetro: 11.640 m² de área externa e 4.600 m² de área interna.

Lá você encontrará, desordenadamente, um jardim de negros, um mercado de artesanato africano, um terraço circular ao ar livre, um estacionamento com 164 vagas, espaços para exposições e seminários, uma biblioteca especializada em história da escravidão, uma loja cultural, uma sala de projeção…

projeto embrionário

Mas quando Abdoulaye Wade sucedeu Abdou Diouf como presidente da República em 2000, o complexo complexo ainda era embrionário e só existia no papel. Ficará aí confinado durante os dois mandatos do Chefe de Estado, que preferirá homenagear o continente através do monumento do Renascimento Africano, uma estátua de bronze que domina Dakar desde uma das colinas de Mamelles, e se transformou também para as Américas.

Após sua eleição em 2012, Macky Sall assumiu o projeto por conta própria e deu uma nova vida a ele. Ele dá vida nova à Fundação Gorée e se esforça para mobilizar os fundos que tornariam possível a criação do memorial. “Ele me ligou para dizer que estava empenhado em tornar a construção do memorial uma realidade”, disse Amadou Lamine Sall. Tenhamos a coragem de dizer as coisas como elas se nos impuseram: deu-se a conhecer um mecenas, portador de um novo modelo deste projeto, com uma oferta de financiamento no valor de cerca de 13 milhões de euros. Foi quando o cantor Youssou Ndour era Ministro da Cultura [avril à octobre 2012]. »

A parte da obra arquitetônica deve, portanto, ser erguida em terra, para representar os que ficaram, e outra no oceano, para homenagear os que partiram… O projeto é tão planejado quanto o seu custo. Avaliado em 1997 em 40 bilhões de francos CFA, será posteriormente reavaliado em 80 bilhões.

Mas, de acordo com Amadou Lamine Sall, o presidente Macky Sall se competiu a buscar financiamento internacional, alegando que perderia tempo no site. Como empreiteiro principal, recorreu a uma empresa turca que já tinha provas dados no Senegal em matéria grandes obras: Summa.

Em agosto de 2021, a Presidência da República anuncia, via Tweet, que os projetos começarão no início de 2022. A esperança renasce… mas vai durar muito.

O prazo de construção agora é dezembro de 2023, poucas semanas antes das eleições presidenciais de fevereiro de 2024. Summa dá uma garantia ao chefe de Estado, diz Amadou Lamine Sall, segundo quem a empresa deve trabalhar em conjunto com a Apix, a Agência para o Promoção de Investimentos e Grandes Obras.

Começou então um impasse entre a presidência (voluntarista) e o Ministério das Finanças (que trava a quatro ferros por questões orçamentais), prossegue. Os decretos estão ligados, assim como as promessas, mas a bola quica muitas vezes nas mesas de bilhar sem nunca chegar ao buraco. Summa, porém, faz um empréstimo para cumprir seus compromissos.

Na cornija ocidental de Dakar, entre a ponta ocidental da África Ocidental e o continente americano, um local espera há várias décadas por um monumento que supostamente simbolizava a memória do tráfico de escravos.

Como prêmio de consolação, o escultor italiano Ottavio Di Blasi é nomeado por criar uma réplica em miniatura do memorial no topo da ilha.

Até o dia em que, no fim da paciência, Amadou Lamine Sall pega na pena para proclamar a sua impaciência misturada com amargura. “O legado deixado por Macky Sall não terá nada de cultural”, irrita, sem medo de distorcer o balanço do chefe de Estado cessante. Contatado por África jovem, O Ministro-Conselheiro El Hadj Hamidou Kassé, responsável pelas Artes e Cultura, não respondeu aos nossos pedidos de esclarecimento sobre o andamento do projeto.

revisão do projeto

“Faz quase quarenta anos que Ottavio Di Blasi venceu este concurso”, resume o arquitecto senegalês Pierre Goudiaby Atepa, que então apoiou a iniciativa. Quatro décadas depois, porém, considera que “este projeto é muito antigo” e que “deveria ser revisto hoje”.

Amadou Lamine Sall indica que, apesar das promessas recebidas do Chefe de Estado e da Apix de que o projeto seria concluído antes do final do segundo mandato de Macky Sall, uma agência estatal o informou de “problemas graves” que perpetuam a maldição que parece emparelhar sobre este projeto formado há tanto tempo.

No entanto, em 7 de setembro, o Collectif des amis du patrimoine respondeu, por meio de um fórum convidado, que “este projeto memorial de Gorée [n’était] inúteis, dado o papel eminente desempenhado pela ilha de Gorée e pela Casa dos Escravos na memória coletiva e histórica”. E recordar outros trabalhos realizados no Senegal nos últimos anos é mais do que suficiente para honrar esta memória.

“Entretanto, na mesma corniche de Dakar, funciona a Place du Souvenir-Africain, o monumento do Renascimento Africano, inaugurado em 2010, que cumpre o seu programa nacional e pan-africano. O Museu das Civilizações Negras abriu suas portas em 1º de dezembro de 2018. O Museu Théodore-Monod de Arte Africana está em funcionamento desde antes da independência. A ilha de Gorée, classificada como Património da Humanidade, alberga a mítica Casa dos Escravos. A Ilha da Memória recebe centenas de milhares de cidadãos do mundo todos os anos. Neste restrito reduzido, salpicado de infraestruturas que nos lembram a nossa história, o projeto memorial de Gorée perde a sua pertinência e torna-se obsoleto, devendo por isso ser enterrado”, escrevem os autores deste texto.

No entanto, Amadou Lamine Sall não cede. “Sou apenas um homenzinho que leva este projeto há mais de trinta anos e que acredita nele”, conclui o poeta. E no meu coração há de já construído. »

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments