Monday, May 27, 2024
InícioEsporteOs torcedores africanos de Gianni Infantino, chefe da Fifa

Os torcedores africanos de Gianni Infantino, chefe da Fifa

Ele comanda a Fifa desde 2016. Neste dia 16 de março, em Kigali, Gianni Infantino foi reconduzido como presidente até 2027. Uma eleição sem suspense, já que o ex-secretário-geral da UEFA era o único candidato. O ítalo-suíço foi reeleito por aclamação, o que sempre é um bajulador de ego – e o chefe do futebol mundial tem de sobra.

Desde que substituiu os suíços Joseph Blatter,que seus problemas jurídicos levaram à sua renúncia em 2015, Gianni Infantino conseguiu se fazer valer na África e, por ocasião da votação, pôde meditar o peso deste continente que, depois da Europa, tem o maior número de filiados federações (54, contra 55 ).

Com o tempo, o ex-jurista conseguiu, assim, dar-se a conhecer aos africanos e conquistar a confiança das esferas altas. No entanto, algumas federações, em particular a de Marrocos, não esqueceram que em 2018 “Gianni”, como lhe chamam os dirigentes do futebol africano, trabalharam nos bastidores para garantir que o Mundial de 2026 se realizasse nos Estados Unidos. Estados Unidos, México e Canadá em vez de Em o Reino. Onze federações africanas (de 54) não votaram a favor de Marrocos, o que chocou o continente.

Em 2021, Gianni Infantino opinou sobre a eleição de Patrice Motsepe à frente da CAF. Usando suas conexões africanas, ele conseguiu que os outros candidatos – o marfinense Jacques Anuma, os senegaleses Agostinho Senghor eo mauritano Ahmed Ould Yahya– retirar-se em favor do sul-africano em troca de um assento como vice-presidente ou conselheiro.

Infantino e Motsepe, que se conhecem há alguns anos, parecem gostar um do outro. O primeiro está impressionado com o sucesso do segundo. Influente empresário, dono do clube Mamelodi Sundowns, Motsepe é, aliás, cunhado do presidente sul-africano, Cirilo Ramaphosa.De sua parte, o bilionário sabe o que deve ao patrão da Fifa.

Mal eleito, o empresário nomeado Veron Mosengo-Omba Secretário Geral da CAF. Nascido em Kinshasa, este congolês, que também tem nacionalidade suíça, cursou Infantino na Universidade de Friburgo, tornando-se um dos seus mais fiéis amigos. Passado pela Fifa, ele estabeleceu relações sólidas na África. Homem de arquivo, deixou a calma de Zurique para se instalar na turbulenta cidade do Cairo, onde passa pelos “olhos e ouvidos de Gianni”.

Em África, como nos outros continentes, certas federações, como a de Marrocos, têm mais peso do que outras. Gianni Infantino, que passa mais tempo em Doha do que em Zurique, permanece regularmente no reino de Cherifian. O patrão da Fifa e Fouzi Lekjaa, o chefe do futebol marroquino, certamente não são os melhores amigos do mundo, mas precisam um do outro.

Lekjaâ, que também é ministro delegado para o Orçamento, assinou 45 parcerias com federações subsaarianas e tornou o seu país um dos mais influentes, senão o mais influente, do futebol africano.

Claro, ele não gostou da atitude de Infantino durante o processo de designação dos países-sede da Copa do Mundo de 2026. Mas o chefe da Fifa conseguiu se recompor ao dar a ele um papel essencial no momento da eleição. Não Marrocos, de Motsepe: o de intermediário com os outros três candidatos. Além disso, em fevereiro passado, Infantino pediu a Marrocos para sediar o Mundial de Clubes.

O suíço-italiano mantém boas relações com outros presidentes de “federados”: Mathurin de Chacus (benigno), Mamoutou Touré (Mali) e Isha Johansen (Serra Leoa), bem como com ex-chefes de federações como Amaju Pinnick (Nigéria) e Hany Abo Rida (Egito), que manteve alguma influência na África. Assim como Lekjaâ e Motsepe, todos são membros do Conselho da FIFA. Finalmente, “Gianni” aprecia o animado mauritano Ahmed Ould Yahya e o influente sul-africano Danny Jordão.

Durante suas viagens pela África, ele frequentemente se encontra com chefes de estado. Mantém relações cordiais com o marfinense Alassane Ouattara ou com o Rei de Marrocos, Mohamed VI.Mas é com Ali Bongo Ondimba, Macky Sall E Paul Kagame os laços são os mais próximos. Os presidentes do Gabão e do Senegal são grandes fãs de futebol. Em 2021, Macky Sall desempenhou um papel fundamental na eleição de Motsepe como chefe da CAF ao pedir a seu compatriota, Augustin Senghor, que se retirou da disputa.

As relações de Infantino com Paul Kagame são mais antigas. Enquanto fazia campanha para seu primeiro mandato em 2016, Infantino participava para Ruanda para participar do Campeonato Africano das Nações (Chan). No dia da final, o camaronês Issa Hayatou, então presidente da CAF e torcedor do Bahrein Salman Bin Khalifa, não fez nada para encontrar um lugar para ele nas arquibancadas do estádio Amahoro, em Kigali. Ele finalmente conseguiu se estabelecer lá graças à intervenção do protocolo do presidente Kagame. “Paul Kagame disse que Infantino era o homem certo para dirigir a FIFA”, lembra um dirigente de uma federação africana.

O ítalo-suíço não esqueceu de retribuir o favor ao chefe de Estado ruandês, que também é um grande torcedor do Arsenal FC: em 2021, abriu o Escritório de Desenvolvimento na FIFA regional de Kigali e organizou o último congresso lá, cenário de sua reeleição esta 16 Marchar.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments