Sunday, May 26, 2024
InícioMeio AmbienteO silêncio da floresta africana, de Georges Dougueli

O silêncio da floresta africana, de Georges Dougueli

Pode-se nascer em um dos países florestais da Bacia do Congo e desconhecer os desafios de preservar a floresta. Um bom começo teria sido popularizar o conhecimento científico. Muito louco quem confia nisso. Esse paradoxo ficou evidente durante o One Forest Summit, realizado nos dias 1 e 2 de março em Libreville, Gabão. Procuramos em vão por especialistas locais. Para onde foram os investigadores centro-africanos? Como alguém pode nascer na segunda maior área florestal do mundo e ser reduzido a mendigar aos outros dados científicos sobre seu próprio ambiente, tecnologias inovadoras destinadas a domar a natureza e traçar perspectivas para o próprio futuro?

A questão da relação de causa e efeito entre a destruição da cobertura florestal e o aquecimento global nos interessa tanto menos quanto as gerações atuais assumem seu desdém pelos estudos relacionados às ciências da terra e da vida. Nossas universidades, aliás muito mal avaliadas em O rankings mundiais, são fábricas de produzir advogados e jornalistas…

Onze países, 25 pesquisadores!

Na véspera da cimeira, as autoridades gabonesas organizaram um simpósio científico como prelúdio para os trabalhos do dia seguinte. Dentro dos 11 países que compõem a Comunidade Económica dos Estados da África Central (ECCAS), o simpósio só conseguiu convidar 25 investigadores. Entre eles estão duas mulheres, incluindo a esposa britânica de Lee White, o ministro das Florestas do Gabão. Mais raro ainda, as mulheres pesquisadoras estão em perigo.

Por outro lado, quando se tratou de convidar especialistas da Amazônia que desejassem compartilhar sua experiência com seus congêneres da África Central, já não era a mesma coisa. Somos mimados pela escolha nesta comunidade científica que traz uma abundância de especialistas de alto nível. Explicação: há quarenta anos, a comunidade internacional investiu cem milhões de dólares para financiar pesquisas na Amazônia. Isso resultou na formação de aproximadamente 5.000 estudiosos, a maioria dos quais são nativos “indígenas”. Como resultado, agora temos um conhecimento muito detalhado da floresta amazônica, sua biodiversidade, suas áreas úmidas e sua população.

A comunidade de doadores seria, portanto, bem aconselhada a fazer um esforço semelhante para a pesquisa na Bacia do Congo. Mais concretamente, trata-se de oxigenar o ambiente institucional (universidades, institutos e centros) bem como os laboratórios de investigação.

Financiando pesquisas na África, os países industrializados estariam se ajudando porque o planeta precisa da floresta para continuar respirando. De acordo com os dados disponíveis, a Bacia do Congo contém o equivalente a dez anos de sequestro de emissões de carbono. Para que isso dure, suas árvores devem permanecer de pé. Imagina o pior. Se nada fosse feito para impedir o desmatamento e essa capacidade de sequestro de carbono desaparecersse, a previsão de aquecimento da temperatura cairia de 1,5° até o final do século para 3,5° até o final do século. data de vencimento. Isso levaria, segundo especialistas, além de fenômenos meteorológicos de violência sem precedentes, uma queda dramática nas chuvas do Sahel à Etiópia, o que aumentaria o risco de fome e conflitos relacionados à água.

Kofi Annan, então secretário-geral da ONU, soou constantemente o alarme: “a mudança climática é a maior ameaça à segurança na África”. Os estudantes garantem que o fenômeno criará 500 milhões de refugiados climáticos no continente até o final do século.

Saia da negação

Os países africanos diretamente envolvidos se beneficiariam, portanto, se colocassem a ciência e a tecnologia no centro de seu desenvolvimento e fizessem os esforços orçamentários relacionados a isso. Por enquanto, isso está longe de ser o caso. Com efeito, à exceção de alguns países como a África do Sul, o Quénia ou o Egito e, mais recentemente, a Tanzânia, a Nigéria e a Etiópia, não é exigido o objetivo dos países africanos de dedicarem 1% do seu PIB à procura.

A pesquisa é cara e, no caso da pesquisa básica, os resultados produziram seus efeitos no médio prazo, até mesmo no longo prazo. O tempo da ciência não corresponde, portanto, ao tempo notoriamente imediatista dos líderes políticos africanos.

Como resultado, o continente é particularmente mal, com cerca de 80 engenheiros e engenheiros por milhão de habitantes, contra quase 150 no Brasil, 2.500 na Europa e 4.000 nos Estados Unidos. Este atraso deve ser imperativamente reduzido. Nem é preciso dizer que o resto do mundo está mudando e não vai esperar pela África. Tendo a União Europeia validado a retenção da venda de carros novos com motores térmicos a partir de 2035, isto significa que a partir destes dados o petróleo venderá menos bem.

Mas quantos países produtores tomaram as medidas devidas para a revolução técnica que se aproxima? Seja como for, não lhes restará alternativa senão adaptada-se, adotando, sob coação, o modelo de desenvolvimento sustentável que a situação impõe. É melhor se preparar para isso hoje. Mas para isso, você tem que sair primeiro de negação…

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments