Monday, May 27, 2024
InícioIdeaisNa RDC, a lei Tshiani e o veneno da politização das identidades...

Na RDC, a lei Tshiani e o veneno da politização das identidades étnicas

Segundo Noël Tshiani, candidato presidencial de 2018 na RDC, apenas os cidadãos nascidos de pai e mãe congoleses têm deixado para aceder aos cargos mais altos do Estado – incluindo a presidência da República. Preocupada com o risco de “infiltração” de “mercenários” no topo do estado, esta patriota, que se presume ser etnicamente pura, apresentou um projeto de lei em julho de 2021 impedindo o acesso ao poder de congoleses etnicamente impuros. Isso foi descartado rapidamente.

Mas o contexto evoluiu desde então: Moïse Katumbi, que teve a curiosa ideia de ter nascido de pai grego e audácia de romper com a coalizão pró-Tshisekedi em 2022, pressionou o vice a ponto de se candidatar na eleição presidencial de dezembro de 2023 por seu partido. A partir de agora, o presidente da Assembleia Nacional da RDC, Christophe Mboso, está aberto à análise da proposta de lei de Tshiani e poderá aplicar-la na ordem do dia da nova sessão parlamentar. Política é o nome que os idealistas têm dado na guerra.

Os Bastardos da República

A dimensão grosseiramente política dessas manobras é angustiante diante dos desafios que assolam a RDC. Isso poderia justificar um consenso sobre a necessidade absoluta de evitar temperamentos inflamados desnecessariamente. Também é lícito surpreender-se ao ver um político importar um conceito que, em outros países, experimentou ser tóxico, para o enxertar no corpo social frágil da RDC.

No entanto, vale a pena assinalar, para regozijar-se, a salutar reação de muitas instituições e autoridades congolesas que rejeitam o projeto de lei apresentado por Noël Tshiani e denunciam o perigo que representa para um país cuja coesão nacional já é gravemente abusada. Mas qual é exatamente o problema com este texto?

Se aprovado, o projeto de lei Tshiani consagraria a existência de duas categorias de cidadãos congoleses: alguns, quimicamente puros, dotados de direitos “naturais”, inclusive de acesso aos mais altos cargos do país, e outros, cidadãos de segunda classe, espécie de bastardos da República cuja identidade manchada os tornaria suspeitos de deslealdade ao Estado congolês.

Nenhum esforço pessoal, nenhum mérito, nenhum sacrifício seria suficiente para libertá-los de sua condição, presos como estão em uma espécie de enfermidade de identidade. Seu destino seria a submissão a uma ordem identitária imutável. Assim, na cabeça do ex-candidato presidencial, os congoleses “nativos”, grandes ganhadores na loteria do DNA, tiveram uma vocação natural para presidir os destinos de congoleses impuros.

Tal ordem seria fundamentalmente injusta. Isso mergulharia os congoleses de segunda classe em uma insegurança estrutural. Se hoje o acesso a determinadas funções lhes fosse vedado, o que impediria que as cotas decididas pelo governo de uma etnia congolesa limitassem o acesso de seus filhos a certos concursos públicos? , ou apenas na escola? Se a perspectiva de um congolês desclassificado chegar ao cargo mais alto é assustadora, por que seria menos preocupante ter um à frente de um hospital, onde ele (Ela) poderia sempre “infiltrar” o “próprio” e causar a morte de muitos congoleses categoria 1?

Em suma, essa insegurança institucionalizada alimenta o ressentimento, desperta desconfiança entre os cidadãos, mina a confiança nas instituições estatais. Levaria à emergência de um imaginário comum, de uma consciência (sub)classe, de uma identidade política baseada no ressentimento e no desejo de vingança.

Grupos irreconciliáveis

A transferência política que se seguiria esbarraria inevitavelmente na recusa das elites nativas congolesas em abrir mão do último. Porque isso equivaleria a abrir mão de privilégios importantes, mesmo que fossem indevidos. O temor de um possível rebaixamento, a preocupação diante de prováveis ​​​​medidas de represálias contra uma odiada classe dominante, ou simplesmente a perspectiva de um futuro incerto seria insuportável, e impediria qualquer questionamento ao sistema. A única saída para essas contradições seria, em última análise, um confronto entre dois grupos irreconciliáveis. Sem dúvida seria violenta. De fato, onde quer que a identidade étnica tenha sido politizada, a paz recuou e a violência floresceu. Uma lei Tshiani seria uma grande derrota para a estabilidade na RDC.

As relações entre Ruanda e RDC estão tão degradadas que é ilusório esperar que a história ou experiência de um país seja considerada útil para o outro. Não é menos verdade que o caminho que Noël Tshiani defende para o seu país evoca o supremacismo hutu que impera no Ruanda desde a independência do país e até ao genocídio perpetrado contra os tutsis, o 29.º aniversário. A politização das identidades étnicas envolveu as relações entre os cidadãos ruandeses, dividiu o país e levou ao massacre de quase 1 milhão deles pelo único crime de serem tutsis, ou seja, ruandeses de segunda classe.

A famosa “balcanização” tão denunciada pela classe política congolesa não resulta apenas de processos externos (invasão estrangeira); é igualmente fruto de decisões políticas mal pensadas, oportunistas e ignorantes. É o caso deste projeto de lei do congolismo que, se fosse aprovado, levaria de fato o país a ruína.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments