Monday, May 27, 2024
InícioImigraçãoIgualdade, fraternidade, racismo: França, República dos paradoxos

Igualdade, fraternidade, racismo: França, República dos paradoxos

neste arquivo

DIVERSITY_GENERIC_1256x844

Veja todo o resumo

Diversidade, uma hipocrisia francesa

  • Discriminação: na França, “há um sentimento de injustiça que não pode ser ignorado”
  • [Enquête] Diversidade na França: acabar com a xenofobia e as fantasias

Lançado no início deste ano de eleição presidencial, O primeiro presidente negro da França, o último romance do escritor camaronês Patrice Nganang, traz Thibault Pierre Kabongo, o primeiro candidato negro – aliás, originário da África – a ter acesso ao Eliseu. A trama se passa em um futuro próximo. No texto introdutório do livro, o autor e sua editora admitem que o país provavelmente ainda não está preparado para tal “revolução”, mas insistem: “é evidente, uma questão de tempo. »

Mas de quanto tempo estamos falando? É certo que os números e os estudos o demonstram: a integração dos imigrantes imigrantes na sociedade francesa é uma realidade. Em particular, o inquérito “Trajetórias e Origens” do Instituto Nacional de Estudos Demográficos (INED), regularmente atualizado, indica claramente que o nível de escolaridade alcançado pela origem estrangeira aumenta a cada geração. Melhor ainda: se comparamos pertenciam a categorias sociais equivalentes, os filhos imigrantes dos triunfam tanto quanto os filhos da “população majoritária”, e ainda mais no caso das meninas.

A partir da segunda geração, continuam os demógrafos, os descendentes de imigrantes “aderem maciçamente à identidade francesa”. Já a população francesa como um todo considera, segundo pesquisa realizada em 2019, a diversidade como “uma coisa boa” em uma proporção de 81%. Um sentimento que parece ser encontrado na classe política: em 2017, o futuro presidente Emmanuel Macron não fez campanha ao declarar: “se seus nomes são Jean ou Malika, essa é a identidade francesa”? Assim, de certa forma, fez eco a Jacques Chirac que, oposto em 2002 ao candidato da Frente Nacional, martelava com paixão que “a França é um país que encontra a sua grandeza na sua diversidade e na sua recusa dos comunitarismos. »

Propostas caricaturais

O tom da campanha eleitoral que hoje ocorre na França parece, ao contrário, ainda mais violento. A Marine Le Pen, a tradicional e quase hereditária candidata de uma extrema-direita hostil à cristã, juntou-se a este ano o polemista Éric Zemmour, que parece determinada a ultrapassá-la pela direita, com um discurso inteiramente construído sobre a ideia de que os estrangeiros só sonham em vir substituir os franceses, usufruindo de benefícios sociais e impondo a lei islâmica.

Quase fazendo passar a rival da Rassemblement nacional por defensora do multiculturalismo, a candidata populista recomendou o seu programa: suspensão total da imigração, fim da reunificação familiar, “caça feroz aos traficantes de imigrantes e associações que [les] defensor”, abolição do jus soli, cobertura de saúde para estrangeiros, naturalizações reduzidas a “quase nada”, expulsão de estrangeiros desempregados sem trabalho desde mais seis meses, etc

Encontro de Éric Zemmour, candidato à Reconquista!  à presidência da França, em 22 de janeiro de 2022, no Palais des Victoires, em Cannes.  © SYSPEO/SIPA

Encontro de Éric Zemmour, candidato à Reconquista! à presidência da França, em 22 de janeiro de 2022, no Palais des Victoires, em Cannes. © SYSPEO/SIPA

Marine Le Pen e Éric Zemmour flertam com os 15% de intenção de voto nas pesquisas

Propostas obviamente caricaturais. Mas tanto a Sra. Le Pen quanto o Sr. Zemmour flertam com a intenção de 15% de votar nas pesquisas, e esse sucesso parece ter dado ideias a outros. Vimos, assim, o objetivo primário de nomear o candidato da direita republicana suscitar debates em torno da segurança e da identidade, mas também o socialista Arnaud Montebourg propor, antes de se retratar, impedir a transferência de dinheiro privado para os países do Magrebe caso estes se recusassem repatriar para o seu território os seus nacionais sob obrigação de abandonar o território francês.

Sinais conflitantes

Quanto ao presidente Emmanuel Macron, parece multiplicar os sinais contraditórios. No início de fevereiro, algumas pessoas próximas a ele anunciaram o lançamento de um movimento cidadão, o Pluriel, que deveria trabalhar pela “inclusão e emancipação social” e impedir a “banalização das ideias de extrema-direita”. Uma forma de reencontrar o ímpeto de 2017, ano em que, recorda o académico Béligh Nabli, “a chegada de Emmanuel Macron foi concomitante por uma nova vaga na Assembleia, com novas caras das minorias”. Mas, continua, “vimos os limites desses avanços, que não foram acompanhados de uma reflexão aprofundada sobre a luta contra a distinção. »

E se o Chefe de Estado qualificou de “notável” a atitude da Alemanha de acolher centenas de milhares de refugiados, se multiplicou os gestos de boa vontade para com África e a diáspora, também vimos, durante o seu quinquénio, a França recusar o acesso aos seus portos à navio de resgate aquáriodesmantelando brutalmente os campos de migrantes dentro e ao redor de Paris, aprovando uma lei reprimindo o “separatismo” e anunciando que o número de vistos concedidos a argelinos, marroquinos e tunisianos cairia pela metade.

“A sociedade francesa nunca foi tão diversa, observa Béligh Nabli, mas o termo ‘diversidade’ não é tão mobilizado, ou mesmo celebrado, como nas campanhas presidenciais anteriores. ” Tanto à direita como em parte à esquerda, onde a noção de universalismo é brandida para contrariar os certos excessos do “wokism”, o académico detecta as mesmas fontes: “nestes assuntos estamos numa fase de regressão, embora não se possa dizer que o país realmente conheceu uma época de ouro. Mesmo a nomeação de Nicolas Sarkozy de mulheres ministras da diversidade – Fadela Amara, Rachida Dati e Rama Yade – fez parte de uma estratégia de comunicação e não teve consequências políticas na luta contra a prescrição. »

Um povo unido e indivisível?

Contradição? Licitações com fins eleitorais que não estariam experimentadas em nada concreto? A França, em todo o caso, parece ter dificuldade em desenvolver um discurso sereno, positivo, sobre a diversidade de origens senão de seus cidadãos. Segundo os juristas, a explicação é em parte histórica. Desde a Revolução de 1789, a República é una e indivisível. Isso se reflete, explica o constitucionalista Michel Verpeaux, da Universidade Panthéon-Sorbonne, pela inclusão dessas noções na lei fundamental. O povo francês é um porque a nação francesa é uma. Reconhecer que existem diferenças dentro da população equivaleria a retroceder nesses princípios fundamentais, e é por isso que em 1991 o Conselho Constitucional censurou um texto de lei pela única razão de que mencionava um “povo corso”. Demorou até 2003 e uma forma de pressão exercida pela União Europeia para que um novo texto reconhecesse “uma certa diversidade histórica, geográfica e cultural” nas populações ultramarinas. Mas por conta própria.

Com esta ínfima exceção, a população francesa, igual em direitos, continua sendo considerada considerada e indivisível. Está fora de questão, como nos Estados Unidos em particular, identificar os cidadãos de acordo com suas origens étnicas e estatísticas com base nisso. Quer tenha adquirido a nacionalidade por nascimento ou mais tarde na vida, um cidadão francês é antes de tudo francês. A intenção é louvável. Infelizmente, às vezes se choca com os fatos.

Princípios versus realidade

Por mais francês que seja, um cidadão de origem norte-africana ou subsaariana tem, segundo dados do INED, três a cinco vezes menos hipóteses de ser chamado a uma entrevista de emprego. O risco para ele de desempregado também é, dependendo de suas origens, idade e diplomas, 20 a 50% maior do que para um membro da “maioria da população”. E quando questionados, os franceses de origem estrangeira não têm dificuldade em listar os critérios com base nos quais se sentem discriminados. Eles citam o sobrenome, o local de residência, a religião, o sotaque e – principalmente – a cor da pele.

Segundo os demógrafos, esse contraste entre os princípios declarados e a realidade se desenvolve a um fenômeno que eles chamam de “integração unidirecional”. Os imigrantes e seus descendentes são claramente convidados à assimilação, e a grande maioria deles compreende essas injunções, adota o modo de vida de seus concidadãos e diz se sentir francês. Por outro lado, muitos deles, mesmo depois de várias gerações, afirmam não se sentirem reconhecidos franceses. A saber é então tanto mais grave quanto se perpetua, e até se amplifica: segundo estudos do INED, os filhos ou netos das primeiras gerações imigrantes são assim mais muitos afirmam ser vítimas de sintomas, ou até mesmo denunciam.

Para os investigadores, isso se explica pelo fato de membros da segunda, terceira ou quarta geração – mais escolarizados, mais integrados – também serem mais sensíveis a manifestações hostis ou racistas, saberem detectá-las e opor-se a elas melhor do que seus pais ou avós. que, para alguns, preferiram baixar a cabeça e resignar-se ao seu destino.

Mudanças semânticas
Desmantelamento de um acampamento de migrantes em Porte d'Aubervilliers, em Paris, em 10 de março de 2019. © Lewis JOLY/SIPA

Desmantelamento de um acampamento de migrantes em Porte d’Aubervilliers, em Paris, em 10 de março de 2019. © Lewis JOLY/SIPA

A França, apesar de todos os seus belos discursos, teria problemas com sua diversidade? Camuflaria, sob uma avalanche de leis e órgãos encarregados de desenterrar casos de denúncia e punir os perpetradores, um racismo comum solidamente ancorado? A socióloga Milena Doytcheva trabalha há vários anos no tema, atendendo tanto pessoas de origem estrangeira quanto voluntários e assistentes sociais responsáveis ​​por atendê-los ou dirigentes de grandes empresas do norte do país. Para ela, é preciso destacar primeiro a evolução do explorado, que por si só ilustra a dificuldade que a França tem em apreender a noção de diversidade.

Na década de 1980, surgiu pela primeira vez a ideia do “direito a ser diferente”, impulsionada pela segunda geração de imigrantes. Termo rapidamente substituído pelo de “multiculturalismo” na década de 1990 e depois por outro, muito mais negativo, “comunitarismo”. Permaneceu, no entanto, a ideia de que pessoas de eram “visivelmente diferentes” da maioria dos franceses (negros, norte-africanos, asiáticas) foram as primeiras vítimas de prescrição e que era preciso encontrar uma maneira de remediar isso.

No início dos anos 2000, o debate mudou para o terreno gerencial, econômico e empresarial.

Tudo mudou, acreditou o pesquisador, no início dos anos 2000. Desde então, passou por várias mudanças. O debate então mudou para o terreno gerencial, econômico e empresarial. Discriminar uma parte da população era privar-se de certos talentos, refletir uma má imagem da própria empresa. Ao “promover a diversidade”, por outro lado, foi possível aproveitar a riqueza que sempre advém do confronto de diferentes pontos de vista, ter um quadro de funcionários que refletisse mais fielmente a realidade da população – e, portanto, da base de clientes. A ideia era identificar talentos, fazer deles exemplos para mostrar aos outros que tudo é possível. Valorizar a noção de esforço individual, de “meritocracia republicana”.

Especificidades relativas

Esta mudança da esfera política para a esfera econômica implica uma abordagem diferente, baseada em outros valores. Mas, afinal, se os resultados estão aí, as motivações são realmente importantes? Milena Doytcheva vê dois problemas de mudança na ideia de diversidade. Em primeiro lugar, sublinhe-se, as cartas e outros rótulos que deveriam assegurar a representação de todas as “minorias” no mundo do trabalho são geralmente meramente incentivados e recaem, para as empresas ou outras entidades que as ratifiquem, acima de um compromisso moral.

Em segundo lugar, e sobretudo, a promoção da diversidade assim criada vai muito além da questão das pessoas discriminadas por sua origem ou religião. Abrange também a igualdade de género, a inte graça das pessoas com deficiência, dos jovens e dos idosos, das pessoas LGBT… Quem pode mais pode fazer menos, e a causa mantém-se legal. Mas para o sociólogo, ao misturar todas estas categorias quisemos sobretudo relativizar a especificidade das discriminações “étno-raciais”, sempre difícil de nomear. Sob o pretexto da integração, conclui, encontramos uma forma de iludir os conceitos de racismo ou etnicidade, evitando confrontar experiências diferentes e propondo como única solução para todas as formas de compreender a assimilação. Uma “dificuldade bem francesa” para entender o fenômeno, acredita ela.

A França um dia terá uma pessoa de cor à frente? Vale a pena admitir: se uma candidata negra está mesmo concorrendo às eleições presidenciais de 2022 – Christiane Taubira, que já havia se apresentado em 2002 –, há pouquíssimas chances de que a eleição de um “primeiro presidente negro da França” conforme descrito por Patrice Nganang é para este ano. No entanto, o escritor quer acreditar que tudo ainda é possível e, sempre provocador, faz seu personagem principal dizer que existem dois tipos de indivíduos na população negra da França: “Os que têm ambição e os que querem ser validados. Este último, escreve ele, se contentará em brilhar no esporte, na mídia ou na cultura. Mas os primeiros querem o poder, o verdadeiro poder, aquele que se senta no Eliseu. E, aposta o romancista, eles acabarão escalando lá.


“Diversidade, uma hipocrisia francesa”:

• Segunda-feira, 28 de fevereiro: “Não escolhemos a França por masoquismo”, a entrevista conjunta entre Elisabeth Moreno e Kofi Yamgnane

• Terça-feira, 1º de março: [Décryptage] Igualdade, fraternidade, racismo: França, República dos paradoxos

• Quarta-feira, 2 de março: Eleições presidenciais francesas: onde se esconde África nos programas dos candidatos?

• Quinta-feira, 3 de março: [Fact-checking] Racismo na França: “grande substituído” e outros clichês sobre chegada a postos à prova

• Sexta-feira, 4 de março: Diversidade das elites na França: a reforma essencial das Grandes Escolas

• Sábado, 5 de março: Maboula Soumahoro: “Não basta declarar-se universalista”

• Domingo, 6 de março: [Reportage] De volta ao básico com os “repats” da África de oeste

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments