Monday, May 27, 2024
InícioDiásporaEstudantes argelinos na França: voltar ou ficar?

Estudantes argelinos na França: voltar ou ficar?

“Pretendo terminar meus estudos primeiro, ganhar alguma experiência na minha área antes de decidir se fico na França ou voltar definitivamente à Argélia”, diz Yanis, 21. Chegado a França em 2020, este estudante que trabalha a tempo parcial num hotel de um dos seus compatriotas acabam de obter a sua licenciatura em informática, mas pretendem continuar os seus estudos no Mestrado “Métodos informáticos na gestão de ‘negócios” .

Os vistos de estudo são mais acessíveis

Além da qualidade do ensino nas universidades francesas, o que fez o jovem decidir pela travessia do Mediterrâneo foi sobretudo a facilidade de obtenção de um visto de estudo, muito mais acessível do que o visto de turista. “Basta apresentar um bom dossiê à embaixada”, diz Yanis, que confessa amar a França, é “país onde se vive a 1.000 km por hora e que oferece muitas oportunidades que basta saber agarrar. O grande negativo, para o jovem que vem de um país onde a família alargada e os amigos importam muito, é esta “indiferença social” à qual tem dificuldade em se adaptar.

Assim como Yanis, todos os anos há um grande número deles se acotovelando, de ficha na mão, em frente à porta da Embaixada da França na tentativa de obter um visto de estudo. O famoso gergelim por emigrar para a Europa, sendo a França o primeiro destino dos estudantes argelinos. Em 2021, apesar de um contexto geral marcado pela pandemia de Covid-19, foram um pequeno mais de 31.000 alunos matriculados em universidades francesas, de acordo com dados fornecidos pelo Campus France. A proximidade geográfica, os laços históricos entre os dois países, a presença de uma forte comunidade argelina na França, o idioma e muitos outros fatores fazem com que os estudantes argelinos escolham naturalmente a França.

Para muitos estudantes, no entanto, ficar após a formação ou voltar para casa é um verdadeiro dilema. Para Nouria, 23 anos, aluna do Mestrado em Consultoria de Negócios da Sorbonne Paris Nord University, a França é um país multicultural que oferece muitas oportunidades em todas as áreas. “Sonho em conseguir um emprego por alguns anos, antes de mudar de país. A quantidade de infraestruturas culturais diversas, como bibliotecas, museus e cinemas, é uma grande vantagem, embora eu ache a França um país muito burocrático”, diz.

Aluno da Universidade de Évry-Val d’Essonne desde 2019, Ghanou está a preparar uma licenciatura em Economia e Gestão com o percurso de Economia e Finanças. “A França é uma ótima escolha inicial para um estudante argelino, porque o custo dos estudos é muito baixo em comparação com outros destinos possíveis, como o Canadá. Por outro lado, a vida lá é muito cara, e é fundamental ter uma quantia inicial, ou poder contar com familiares que te ajudem ou acomodem”, explica. Para ele, o mais importante para os estudantes que desejam vir para a França é cumprir as condições de elegibilidade do visto e ter os 7.000 euros em sua conta bancária conforme exigido no arquivo. “É uma grande soma para muitos estudantes. Este ano, novamente, poucas inscrições foram aceitas”, continua Ghanou. Entre tantas vantagens que o fizeram decidir vir estudar na França, além do alto nível de estudos e seu baixo custo, Ghanou cita o financiamento dos serviços públicos, o excelente sistema de saúde francês, além das muitas oportunidades oferecidas pelo país. “Não sonho necessariamente ficar aqui, mas também não descarto essa opção. Pretendo terminar primeiro os estudos e porque não voltar ao país para o fazer beneficiar da minha experiência, mas ainda assim seria mais sensato ter um pé de cada lado”, disse um estudante de 21 anos.

Mais pontos de venda

Se praticamente todos os alunos concordam com a “seriedade dos estudos e seu alto nível”, o acesso gratuito a uma comunidade de bibliotecas e a possibilidade de fazer diversas especialidades também estão entre as fontes citadas. As especialidades disponíveis são tantas que às vezes podem desconcertar mais de um. Como Laetycia, 22, que chegou à França há dois anos. “É complicado. Existem muitos campos, subcampos e disciplinas que nem nós conhecemos. A especialidade que estou fazendo não existe na Argélia. Portanto, não há muitas saídas para mim”, ela se preocupa. Apesar de tudo, esta licenciada em psicologia não de estabelecer-se definitivamente na França. “Pretendo trabalhar depois do diploma para adquirir a experiência profissional necessária e depois voltar para casa. Não me vejo morando aqui de jeito nenhum. »

Sonia trabalha como gerente de projetos em uma prestadora de serviços da indústria farmacêutica na cidade de Oraison e mora em Manosque, uma pequena cidade localizada no departamento de Alpes-de-Haute-Provence. Após uma licenciatura em química seguida de dois anos de mestrado em química em analítica, Sónia, que não se vê de regresso à Argélia, praticamente realizou o sonho da sua vida: conseguir um contrato permanente e poder finalmente ajudar os seus irmãos e irmãs que permaneceram na Argélia e das quais ela é agora o esteio. Sonia conseguiu seu CDI após dois meses de pesquisa “intensa”. “Não sei se dei sorte ou se foi porque fui muito persistente, pois até nas folgas do supermercado onde dispensa eu me inscrevi. Por acaso fiz três entrevistas num dia”, sublinha.

vantagens sociais

Ao chegar à França, depois de concluídas as formalidades de registro, o mais importante é encontrar um emprego. “A oferta varia muito consoante a região, existindo plataformas na rede, sites e aplicações que permitem encontrar emprego para estudantes. Mas é preciso saber que os estudantes argelinos não têm direito a um contrato de trabalho superior a 18 horas”, sublinhou Sonia. Chegou em setembro de 2018, o jovem começou de início a dar aulas particulares para alunos do ensino médio e superior. “Ainda não tinha autorização de residência que me permitisse trabalhar permanecendo declarada, mas assim que a consegui, fui contratada como caixa num supermercado”, continua.

Estudando na França, Sonia só vê vantagens. Entre outras coisas, ocupam cargas de responsabilidade assim que terminam os estudos, graças a uma formação teórica direcionada e aprofundada, mas também a uma série de realização e trabalhos práticos. A outra vantagem é a autonomia e independência que temos na França. “Na Argélia, quando você é estudante, não pode trabalhar em paralelo. Muito poucos o fazem, e geralmente são meninos. Aqui, mesmo muito jovem, você pode ter um emprego, uma casa, até um carro sem ter terminado os estudos. Também não é preciso fazer bacharelado, mestrado ou doutorado, porque há muitos diplomas universitários que permitem trabalhar depois de dois anos de estudo”, entusiasma-se Sonia. Soma-se a isso a ajuda prestada pelo Estado francês aos estudantes. “Aluguei o meu atelier de 16 m2 por 450 euros e o Fundo de Abono de Família [CAF] me devolva 300 euros”, explica.

De acordo com os resultados de uma pesquisa do Centro de Pesquisa em Economia Aplicada ao Desenvolvimento (Cread) realizada entre 2014 e 2018, apenas 22% dos estudantes argelinos na França planejavam retornar à Argélia no final de deles estudos.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments