Monday, May 27, 2024
InícioPoliticaEntre Marrocos e Argélia, a AMU da discórdia

Entre Marrocos e Argélia, a AMU da discórdia

Além do entusiasmo dos primeiros tempos após a sua criação em 1989, a União do Magrebe Árabe (UMA), cujo objetivo é reunir política e economia os seus cinco Estados-membros (Mauritânia, Marrocos, Argélia, Tunísia e Líbia), é frequentemente visto como… uma casca vazia. A ponto de quase esquecermos sua existência.

Mas a troca de armas nas últimas duas semanas entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros argelino, a União Africana (UA) e o secretário-geral da UMA, o tunisiano Taïeb Baccouche, na sequência da nomeação da diplomata marroquina, Amina Selmane, para o cargo de AMU representante junto da UA, veio recordar a quem duvidasse o quanto esta organização magrebina, cujo texto fundador (o Tratado de Marraquexe de 1989) apela ao “reforço dos laços de fraternidade que une os Estados-Membros e os seus povos […]contribua para a preservação da paz com base na justiça e na equidade, e trabalhe gradualmente para alcançar a livre circulação de pessoas, serviços, bens e capitais”, condena-se a permanecer como uma ilusão, visto que as tensões são grandes entre os países membros.

Hipersensibilidade?

Também revela a hipersensibilidade da diplomacia argelina quando um assunto em link com Marrocos está em causa. Exceto sob Chadli Bendjedid, Argel nunca escondeu o seu desinteresse pela UMA, deixando mesmo, como revela o secretariado-geral da UMA em comunicado de imprensa, de pagar as suas contribuições desde 2016. A Argélia tem retirou todos os seus diplomatas que ali acreditavam , tendo o último deixado funções em julho de 2022. Mas não menos protestos hoje na sequência da apresentação de credenciais de Amina Selmane a Moussa Faki Mahamat.

Num comunicado de imprensa publicado a 16 de abril, o Ministério dos Negócios Estrangeiros argelino exprimiu, de facto, o seu “profundo espanto” na sequência da escolha do diplomata marroquino, acusando o presidente da Comissão da UA de actuar de forma » e Taïeb Baccouche de « cumprir a ordem do dia elaborado pelo seu país de residência » (neste caso, Marrocos, sendo a sede da AMU em Rabat). Alegando ter “nunca sido consultadas”, as autoridades argelinas denunciam, assim, uma tomada de decisão “fora das restrições protegidas” e condenam uma “encenação grosseira protocolar” e uma “manipulação doentia”, não sem recordar o seu “apego inabalável” aos interessados dos a AMU ea UA.

Referindo-se a “comportamentos irresponsáveis” e “inadmissíveis”, Argel afirma ainda ter intervindo “urgentemente” junto da Comissão da UA “para considerar esta alegada nomeação sem objecto”. Aos olhos das autoridades argelinas, de facto, a secretária-geral da organização magrebina não tinha de forma alguma poderes para nomear a representante, tendo o seu mandato “terminado definitivamente a 1 de agosto de 2022, sem possibilidade de prorrogação”.

A resposta da WBU veio dois dias depois, em 18 de abril, também em comunicado à imprensa. O seu Secretário-Geral sublinhou o contexto desta nomeação, “onde as Comunidades Económicas Regionais (CERs) são consideradas pela UA como os seus pilares essenciais na implementação da sua Agenda 2063, particularmente em termos de integração económica continental, incluindo o pré-requisito é a integração regional “, recorda de seguida que o procedimento de nomeação de um representante permanente da AMU junto da UA” foi objecto de um acordo em Janeiro de 2018 com o Presidente da Comissão da ‘UA, Moussa Faki Mahamat’, acordo esse que ele próprio ‘foi objeto de ampla informação sem que ninguém se oponha’.

Aliás, Taïeb Baccouche também aponta as contradições das autoridades argelinas, com quem tem contatado constantemente “para que sua situação seja esclarecida legal e administrativamente”. Em vão. Para que o diplomata Tunisiano continua a ocupar o cargo de secretário-geral da UMA. E que estava, portanto, na ordem das coisas que se carregasse da nomeação de Amina Selmane.

“Além da Argélia, nenhum outro país membro da AMU questionou a nomeação da diplomata Amina Selmane, que até recentemente era diretora de assuntos universitários da secretaria geral [de l’UMA] representante da organização magrebina na UA”, aponta um investigador em relações internacionais da Universidade de Rabat, que deseja precisar que “este recrutamento, suspenso durante a pandemia de Covid-19, foi retomado com a maior brevidade possível assim que conforme as circunstâncias permitiriam, pois a UMA era a única entidade económica regional, entre as oito do continente, que ainda não tinha representante”.

Um não-evento para Marrocos

“É um assunto entre a AMU, a UA e Argel, não diz respeito diretamente a Marrocos, que aliás não teve reação. A diplomata nomeada é certamente de nacionalidade marroquina, mas é sobretudo funcionária de uma organização internacional”, comenta, por seu lado, Ahmed Faouzi, ex-embaixador do reino na Costa do Marfim e investigador em relações internacionais.

Que continua: “É uma nomeação que não é marroquina, mas norte-africana. Foi o secretário-geral da WBU que estava por trás dessa iniciativa. Houve um pedido da UA para preencher esta posição por um determinado período. Não sabemos o procedimento exato, é algo interno do AMU e do AU. Mas no geral, neste tipo de organização, há uma convocação de candidatos e depois há uma escolha que é feita de acordo com muitos critérios, incluindo o histórico, mas também a necessidade de reunir condições como paridade ou outras. »

Esta nomeação é ainda mais importante, sublinhou o ex-diplomata marroquino, porque a integração e a reativação desta integração económica regional são cruciais, numa altura em que o mundo atravessa uma zona de turbulência perigosa com perigos que rondam todos os cantos.

Por que, então, essa raiva argelina? “Essa nomeação é irritante porque marca o forte retorno do Marrocos à UA, analisando o ex-diplomata marroquino. O reino retirou lentamente o seu lugar de dinamizador dentro da organização pan-africana, com um trabalho concreto sobre os grandes temas que preocupam a África, como a migração, o terrorismo, o narcotráfico… pára posição. »

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments