Tuesday, May 28, 2024
InícioNoticiais em destaqueDepois de Togo, Senegal recupera o controle de seus portos

Depois de Togo, Senegal recupera o controle de seus portos

O Porto Autônomo de Dakar (Senegal), administrado pela DP World de Dubai © Sylvain Cherkaoui para Jeune Afrique.

O Estado senegalês anunciou que vai aumentar a sua participação de 10 para 40% no capital da DP World Dakar SA, com sede no Dubai, ambas operadoras do terminal de contentores do porto autónomo de Dakar (PAL) e transportadoras do novo -porto fluvial de Ndayane, situada a cerca de sessenta quilómetros a sul da capital senegalesa, e cujas obras se iniciaram fisicamente a 14 de abril, um ano após o lançamento da primeira pedra em Presidente senegalês, Macky Sall.

Para permitir financeiramente a Dakar realizar esta operação, a Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (Miga), subsidiária do Banco Mundial (BM), anunciou em meados de abril ter emitido uma garantia de 516 milhões de euros, a favor do Standard Chartered Bank, Crédit Agricole Corporate and Investment Bank e JPMorgan Chase Bank NA sucursal de Londres, de forma a cobrir os três estabelecimentos bancários – respectivamente britânicos, franceses e americanos – contra os seguros de não reembolso associados aos empréstimos concedidos ao Estado senegalês, por um período indo até 18 anos.

Três vezes mais contentores movimentados em 2022 do que em 2008

Graças a este apoio da Miga, que nesta oportunidade realizou a sua milésima operação desde a sua criação em 1988, o Senegal ultrapassou o limiar da minoria de bloqueio. “Reforça assim a sua posição estratégica no setor portuário, ao mesmo tempo que aumenta a sua receita anual graças aos dividendos que lhe serão pagos”, explica o Ministério das Finanças e Orçamento do Senegal, que conduziu este projeto juntamente com a Agência para a Promoção de Investimentos e Grandes Obras (Apix).

Dados dos resultados obtidos pela DP World, que movimentaram 738.000 contêineres em 2022, ante menos de 270.000 quando chegaram a Dakar em 2008, o Estado pode esperar que seus rendimentos aumentem após o investimento.

Até porque, ao permitir o refinanciamento dos empréstimos contraídos pelas autoridades públicas senegalesas por um período mais longo, o instrumento de cobertura Miga reduz as obrigações estas últimas relativamente ao serviço da dívida, conferindo-lhes maior flexibilidade nos seus recursos de financiamento.

La Miga, que tem como missão mobilizar o investimento privado internacional em benefício dos países em desenvolvimento, confirmou pela voz do seu vice-presidente executivo, Hiroshi Matano, que esta operação deverá “permitir ao Estado senegalês investir nos seus portos e ter um dos seus objetivos prioritários, com o desenvolvimento de um importante centro comercial da região”.

Evite Conflitos de Interesse

A mesma razão também foi invocada, em 21 de fevereiro de 2023, para justificar a decisão, tomada por decreto presidencial, de confiar ao Porto Autónomo de Dakar (PAL) a gestão de todos os centros portuários do Senegal nas questões de gestão, operação, conservação e desenvolvimento.

“O objetivo é evitar conflitos de interesses e ter uma melhor coordenação para poder promover a plataforma portuária senegalesa no mercado internacional”, explicamos ao PAD, na linha da vontade manifestada pelo Presidente Macky Sall, muito investido no arquivo marítimo de seu país.

A decisão “de prorrogar jurisdição do PAD” já era conhecido há vários meses, assim como o de ver o Estado assumir uma participação na subsidiária senegalesa da gigante dos Emirados DP World, em discussão ao que parece desde o final de 2020 e o acordo assinado entre o Senegal e a operadora na construção campo verde do porto de Ndayane, no valor de 1,1 mil milhões de dólares.

“Ao aumentar a sua participação, o Senegal reforça a sua posição perante o operador, nomeadamente nas escolhas a fazer quanto a extensões futuras ou ao desenvolvimento das atividades de transbordo”, sublinha um especialista. Mesmo que a DP World obviamente retenha o controle sobre a operação diária de seus terminais.

Soberania perdida

A operação é bastante bem vista pela Comunidade de Atores Portuários do Senegal (CAP), que, em nome do setor privado, espera que o investimento do governo “beneficie as empresas locais e a promoção dos senegaleses locais. Especialmente porque o investimento estatal ocorre em um momento em que o tráfego deve explodir nas bacias cada vez mais estreitas de Dacar.

Este aumento de capital das autoridades públicas senegalesas na DP World Dakar SA segue-se em poucas semanas ao das autoridades togolesas, que aumentou em março de 5 para 30% do Togo Terminal, que é operado desde 2001 pela Bolloré Africa Logistics (BAL), agora desde o final de março, a Africa Global Logistics (AGL), após ter sido transportado para a bandeira MSC em dezembro de 2022.

Assim, parece estar se formando uma tendência em todo o continente, que veria os Estados recuperarem nos cais parte da emoção perdida durante a primeira onda de concessões portuárias, por falta de recursos e expertise na virada dos anos 2000. .

“Desde então adotaram”, resume um operador senegalês. Muitas vezes assinadas em 25 ou 30 anos, algumas concessões expiram nos próximos anos em todo o continente. E o movimento iniciado por Lomé e Dakar poderá inaugurar, nas atuais e futuras, um reequilíbrio das responsabilidades de todos no âmbito das parcerias público-privadas “finalmente ganha-ganha”, espera-se no docas Dacar.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments