Monday, May 27, 2024
InícioSociedadeAS Ghardimaou, clube de futebol tunisiano que viu todos os seus jogadores...

AS Ghardimaou, clube de futebol tunisiano que viu todos os seus jogadores fugirem para a Europa

Acabou. A Associação Desportiva de Ghardimaou liquidou a sua equipa de futebol sénior por falta de jogadores. Sem desentendimentos entre gerentes ou licenciados, sem problemas financeiros insolúveis ou qualquer epidemia, apenas jogadores mais experientes para enfrentar seus adversários da Divisão 4. “Desde o final de dezembro, quatorze ganhou o país. Durante três anos, acredito que um total de 32 jogadores fugiram. Era impossível continuar”, explica Jamel Meftahi, presidente do ASG, ao África jovem.

Os jogadores deixaram o país ilegalmente, na maioria das vezes por mar. Alguns se juntaram à Sérvia, país que não exige visto para nacionais Tunisianos, antes de entrar, desta vez clandestinamente, na Itália ou mais frequentemente na França, munido de sua licença esportiva. “Eles geralmente têm família na França. Mas eles estão em situação irregular e sabem que podem ser presos pela polícia a qualquer momento para serem deportados para a Tunísia. Vivem uma situação difícil”, continua o dirigente que afirma manter contato regular com a maioria deles.

Desempregados ou estudantes

Os agora ex-jogadores do AS Ghardimaou, que não desistiram de praticar sua paixão em um clube amador francês com a condição de um dia estarem regularizados, estão acima de tudo procurando uma maneira de atender às suas necessidades. “Eles tentam encontrar pequenos empregos, no mercado negro, mas sabem que podem ser mandados de volta para a Tunísia a qualquer momento”, intervém alguém próximo ao presidente.

“Se eles saíram, foi porque a vida deles na Tunísia estava ficando muito complicada. Aqui, eram quase todos desempregados ou estudantes, sentiam que não havia futuro. Em Ghardimaou, (cidade perto da fronteira com a Argélia, numa região largamente dependente da agricultura), não há muito. O futebol não trouxe nada para eles, já que o clube é amador. “Nos últimos meses, o ASG teve de fazer o dinheiro da gaveta para financiar viagens para poder disputar os jogos do campeonato. “Existem de fato os ajudantes da prefeitura, do governo, de a federação, mas às vezes demoram a chegar. É difícil comprar equipamentos, financiar viagens”, continua Jamel Meftahi um tanto desiludido.

O futebol profissional também foi afetado

O dirigente não sabe ao certo o que o futuro reserva para seu clube. As equipas juvenis continuam a participar nos campeonatos da sua categoria, mas parece-me hoje excluída a cogitação de um recomeço das atividades da equipa sénior. “Esses jogadores, que têm em sua maioria entre 17 e 23 anos, sem dúvida preferiram ficar em seu país para viver e trabalhar lá, mas a situação lá é tão difícil que eles optam por sair, mesmo que isso signifique se tornarem ilegais. . São pessoas boas, conheçam os tunisianos que ganharam o país depois da revolução de 2011, que se estabeleceram na França, constituíram família e arranjaram um emprego depois de regularizados. Eles dizem a si mesmos que pode ser possível para eles também”, resume este amigo próximo do presidente Meftahi.

A emigração ilegal não diz respeito apenas a clubes amadores como o AS Ghardimaou. Recentemente, o Avenir Sportif de Rejiche (Ligue 1) anunciou a saída do goleiro Khalil Zaouli (19) para a Itália. Em agosto passado, Mohamed Ali Chelbi, jovem goleiro do prestigioso CS Sfaxien, também havia optado por ingressar na Itália ilegalmente. Ele até havia se fotografado no precário barco que o levou em Europa…

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments