Monday, May 27, 2024
InícioJustiçaAgathe Habyarimana, a "viúva negra" de Ruanda

Agathe Habyarimana, a “viúva negra” de Ruanda

neste arquivo

Os destroços do avião do presidente Juvénal Habyarimana, morto em um ataque em 6 de abril de 1994. © Bouju/AP/Sipa

Veja todo o resumo

Ataque de 6 de abril de 1994: retorno à investigação da discórdia entre França e Ruanda

  • Agathe Habyarimana, a “viúva negra” de Ruanda
  • França-Ruanda: retorno a uma investigação manipulada

[Série] Mulheres nas sombras… e no poder (3/5) – Quarta-feira, 6 de abril de 1994, por volta das 20h30. Nos jardins da residência presidencial em Kigali, a história de Ruanda acaba de mudar. Abatido por dois mísseis terra-ar, o Falcon 50 que trazia o presidente ruandês, Juvénal Habyarimana, seu homólogo do Burundi, Cyprien Ntaryamira, sete membros de suas respectivas delegações e a tripulação do jato, composta por três franceses, de Dar es Salaam foi abatido por dois mísseis terra-ar disparados consecutivamente quando a aeronave inicia sua aproximação ao aeroporto da capital.

Na manhã do dia 7 de abril, Jeanne Uwanyiligira, 24, e sua irmã Marie-Claire Uwimbabazi, 22, dirigiram-se o mais rápido que permaneceram à residência presidencial após serem inundadas da morte neste atentado, de seu pai, Dr. médico pessoal do presidente Habyarimana.

Nesse dia, na residência presidencial e no terraço, a poucas dezenas de metros do local do acidente em que dormiram os doze passageiros, foram inscritos os restos mortais das vítimas. Soldados ruandeses da guarda presidencial e militares franceses também estão presentes no local. Em Kigali, desde o amanhecer, os massacres contra os tutsis já haviam resolvido.

Deve ser hora de meditação. Mas, segundo as duas jovens, a reação da viúva do chefe de Estado é idosa. “Enquanto estava orando, a Sra. Habyarimana estava orando em voz alta pedindo para ajudar o interahamwe [les miliciens extrémistes hutu] para se livrar do inimigo e para os soldados ruandeses terem armas. »

Segundo outras testemunhas que entraram na residência presidencial nas horas seguintes ao atentado, que o contarão mais tarde, nomeadamente perante o Tribunal Penal Internacional para o Ruanda (ICTR), Agathe Habyarimana disse as suas instruções por telefone, listando os nomes dos opositores ao eliminar. Entre eles, a primeira-ministra Agathe Uwilingiyimana, uma hutu pertencente a um partido da oposição. Ela será morta a sangue frio pelos guardas presidenciais na madrugada de 7 de abril.

Ouvimos a irmã Godelieve dizer que todos os tutsis deveriam ser mortos

Duas irmãs do Chefe de Estado – freiras – também estão presentes na residência presidencial, bem como o Arcebispo de Ruanda, que por acaso é primo de primeira dama. Mas não é para lamentar as vítimas que pereceram neste ataque, nem para rezar para que Ruanda não caia na violência. “Ouvimos a irmã Godelieve [Habyarimana] dizer, na cozinha, que todos os tutsis tinham que ser mortos”, testemunham como filhas do Dr. Akingeneye em seu conjunto de depoimentos.

inimigo dentro

Dentro da família presidencial, segundo este relatório registrado em 22 de junho de 1994 pelo procurador militar belga – o equivalente aos magistrados de instrução em matéria militar –, o clima é de paranóia. “Ouvimos Jeanne Habyarimana [l’une des filles du président défunt]sua mãe e também Séraphin Rwabukumba [l’un des cousins d’Agathe Habyarimana, qui appartient au premier cercle des extrémistes hutu] explique ao telefone que eram os belgas [appartenant au contingent de casques bleus dépêchés au Rwanda par l’ONU depuis quelques mois] que derrubaram o avião e que lutavam ao lado da RPF. »

Para os extremistas em torno de Agathe Habyarimana, a Frente Patriótica Ruandesa, esta rebelião composta majoritariamente por tutsis então em processo de integração no exército e no governo ao abrigo dos acordos de paz de Arusha, assinados em agosto de 1993, representando o inimigo dentro. E todos os tutsis do país são suspeitos de formar a quinta coluna.

“Às vezes, Madame Habyarimana nos pedia para sair para certos telefonemas”, acrescentam as duas filhas do Dr. [par le FPR]. »

Evacuação

Em 9 de abril, Agathe Habyarimana foi evacuada pelo exército francês que veio organizar uma transferência de expatriados como parte da Operação Amaryllis. Com ela, no avião, muitos executivos importantes do regime que acaba de adquirir o genocídio. “Ela partiu com os franceses sem nos pedir para ir com ela”, disseram Jeanne Uwanyiligira e Marie-Claire Uwimbabazi. soldados [rwandais] nos levaram para casa no domingo, 10 de abril de 1994.”

Agathe Habyarimana juntou-se a Bangui pela primeira vez com onze membros de sua família: filhos, filhas, netas, irmão, irmã, sobrinhas, sobrinhos. Quatro dias depois, seu destino foi selado no Eliseu durante um Conselho restrito reunindo, em torno do presidente François Mitterrand e seu primeiro-ministro, Édouard Balladur, os ministros da Defesa (François Léotard), das Relações Exteriores (Alain Juppé) e da Cooperação (Michel Roussin ), bem como vários responsáveis ​​​​da Presidência da República, do Gabinete do Primeiro-Ministro, da Secretaria-Geral da Defesa Nacional (SGDN), dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Defesa e da Secretaria-Geral do Governo. Em 17 de abril, a viúva do presidente Juvénal Habyarimana é recebida em Paris.

Esta exfiltração é acompanhada por dois presentes: um ramo de flores mas sobretudo um cheque de 200.000 francos na altura (30.487 euros). Oficialmente, este envelope é atribuído no âmbito de um “Acordo para a contribuição de ajuda orçamental excepcional à República do Ruanda”, co-assinado pelo Ministério da Cooperação francês, através do seu chefe de gabinete, Antoine Pouillieute, e pelo ministro ruandês das Relações Exteriores e Cooperação, Jean-Marie Vianney Ndagijimana.

Segundo um documento tornado público desde então, “o Ministério da Cooperação da República Francesa concede à República Ruanda, que a solicita, uma ajuda orçamental excecional” deste montante que “irá financiar ações urgentes a favor dos refugiados ruandeses”. No entanto, como revelou o jornal diário liberal, ao Ministério da Cooperação Francesa “todo mundo conhece os beneficiários”: “A quantia é paga na verdade à família do falecido presidente, Juvénal Habyarimana. »

Ela tem o diabo em seu corpo! Ela é muito difícil de controlar

Algumas semanas depois, quando o genocídio perpetrado contra os tutsis já havia causado várias centenas de milhares de vítimas à indiferença geral da comunidade internacional, uma vítima da ONG Médicos Sem Fronteiras teve uma audiência com François Mitterrand no Elysium. Questionado sobre a exfiltração para a França de Agathe Habyarimana, o Chefe de Estado profere estas poucas palavras sem concessão: “Ela tem o demônio em seu corpo! Se pudesse, continuaria a lançar apelos por massacres das estações de rádio francesas. Ela é muito difícil de controlar. »

Apreciação que contrasta com a clemência que o Chefe de Estado havia declarado algumas semanas antes em relação à “viúva negra” de Ruanda.

Clã do Norte

Quatro anos antes do genocídio, o coronel René Galinié, adido de defesa da embaixada francesa em Kigali, já havia dado o alarme, mas sem ser levado a sério. Em janeiro de 1990, em dela relatório anual ao Chefe do Estado-Maior da Defesa, ele havia de fato indicado que “o presidente está cada vez mais acomodado a se submeter ao controle do clã de sua esposa, o mesmo clã que será, em abril de 1994, o núcleo do mais radical”, relembraram, em 2021, em seu volumoso relatório, os historiadores e juristas da Comissão de Pesquisa sobre os arquivos franceses relativos a Ruanda e o genocídio dos tutsis, presidido por Vincent Duclert.

“Este mesmo clã do norte, do qual são recrutados a maioria dos oficiais das Forças Armadas de Ruanda (FAR) e executivos políticos, controlam tanto o estado quanto a economia do país desde que adotaram o poder em 1973”, lembrou, em seu relatório , o coronel Galinié.

Muito piedosa, até francamente fanática, Agathe Habyarimana chegou a instalar uma capela privada dentro da residência presidencial. Porém, muito antes do genocídio, muitos testemunhos já convergiam para atribuir a ele um papel tão discreto quanto influente na época em que se elaborava o plano de extermínio dos tutsis. Ela teria sido um pilar do Akazu (“a casinha”, em Kinyarwanda), esse grupo informal de extremistas colocados no coração do Estado, do exército e do mundo empresarial do qual vários membros influentes estavam relacionados.

asilo

Isso não impediu que Agathe Habyarimana encontrasse asilo na França nos anos seguintes. Depois de uma primeira estadia de alguns meses em França, à época do genocídio, regressará algum tempo a África, onde permanecerá nomeadamente no Gabão, no antigo Zaire e no Quénia, antes de regressar à região parisiense no final de 1998, com passaporte gabonês e identidade falsa. Em meados dos anos 2000, seis de seus sete filhos viviam na França, alguns deles desfrutando do status de r&refugiado, outros tendo mesmo obtido a nacionalidade francesa.

No entanto, o status de Agathe Habyarimana nunca será formalizado. Em abril de 2004, a ex-primeira-dama, portanto, apreendeu o prefeito de um pedido preliminar de admissão para permanecer sob asilo e, em 8 de julho de 2004, autoridade-se ao Escritório Francês de Proteção a Refugiados e Apátridas (Ofpra ). Em 12 de dezembro de 2005, o Ofpra não tendo reagido – o que equivale a uma decisão implícita de indeferimento –, interpôs desta vez a Comissão dos recursos dos refugiados.

papel central

A novela continuará perante o Conselho de Estado, o mais alto tribunal administrativo francês. Em 16 de outubro de 2009, ele demitiu Agathe Habyarimana mais uma vez, lembrando por que ela não poderia reivindicar o status de refugiada.

“A Comissão de Apelos aos Refugiados expôs em detalhes e abundantemente as razões pelas quais se considerava que o genocídio cometido em Ruanda havia sido preparado e planejado por aqueles no poder antes de 6 de abril de 1994 e que a Sra. Habyarimana desempenhou um papel central de preparação bem como nos acontecimentos ocorridos nos primeiros dias do genocídio, entre 6 e 9 de abril de 1994, e que posteriormente manteve contato com o governo interino e depois com o governo ruandês no exílio; que ela assim, tanto no grau de planejamento prévio do genocídio quanto no papel da Sra. Habyarimana, justificou suficientemente sua decisão e colocou o juiz de cassação em posição de exercer seu controle. »

Por sua vez, a prefeitura de Essonne, o departamento de Ile-de-France onde ela reside, recusará, em 2011, a autorização de uma autorização de residência. Uma decisão que será primeiro rejeitada pelo Tribunal Administrativo de Versalhes antes de ser confirmada, em última análisepelo Conselho de Estado.

Nem refugiada política nem passível de extradição para o Ruanda (a jurisprudência francesa rejeita sistematicamente esta opção), Agathe Habyarimana nunca foi julgada por seu papel na preparação e organização do genocídio perpetrado contra os tutsis em 1994. Em fevereiro de 2022, o inquérito A juíza Stéphanie Tacheau, responsável pelo inquérito por “cumplicidade em genocídio e crimes contra a humanidade” que a perseguiu, aberta desde 2008 por iniciativa do CPCR, pôs fim às considerações deste dossiê, prelúdio de um arquivamento – nenhuma acusação foi pronunciada contra ele. Agathe Habyarimana certamente foi colocada sob o status de testemunha assistida, mas a hipótese de um encaminhamento a um tribunal de justiça hoje parece dependente.

Agora com 80 anos, a ex-primeira-dama do “país das mil colinas”, residente francesa sem título, terá assim conseguido escapar durante muito tempo a julgamento, guardando os seus segredos e beneficiando de uma impunidade polémica.


Todos os itens do nosso Series :

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments